Além da Ilusão: Tenório promete filhos à Olívia e rebate provocação sobre ter esposa “oca”

Passam-se meses, ex-padre deixa a prisão, revê a amada e lida com o preconceito da mãe


01 de agosto de 2022

Foto: Reprodução Globo/Montagem

Por Luciana Marques

Nos próximos capítulos de Além da Ilusão, Tenório (Jayme Matarazzo) promete à Olívia (Débora Ozório) muitos filhos, assim que deixa a prisão. Depois de muito tempo preso, o ex-padre é beneficiado por anistia e volta para a casa. Ele é recebido com muito entusiasmo na casa de Fátima (Patrícia Pinho) e Benê (Cláudio Jaborandy), não só por Olívia, mas também por Heloísa (Paloma Duarte), que já estará com barriguinha de cinco meses de gravidez.

No grupo, só quem não disfarça estar desconfortável é Lisiê (Angela Vieira), mãe de Tenório. Olívia, já recuperada da cirurgia, faz festa. “Bendita anistia! Trouxe você de volta pra mim! Que saudade, meu amor!”. Tenório fala da alegria de estar livre. “Também não via a hora de estar com você. Se eu já dava valor à liberdade, agora mais do que nunca sei o quanto é preciosa”. Lisiê comenta que o filho está muito abatido.

Fátima brinca que com um pouco de sol e uma boa comida, logo ele estará ótimo. “Amor também não vai faltar. É um santo remédio!”, diz Benê. Helóísa fala que logo ele estará novo em folha, como Olívia. Mas a jovem mostra uma expressão mais séria. “Nem tudo se ajeitou... Não posso ter filhos...”, lembra Olívia. Logo Tenório minimiza a questão. “Quem disse que não? Não vamos ter filhos de sangue, mas podemos ter vários de coração”.

O ex-padre abraça carinhosamente a amada, animando a todos, menos Lisiê. Momentos depois, Tenório estará a sós com a mãe. Ela fala de sua inconformidade pelo fato do filho ter deixado a batina, não buscar um novo caminho profissional e nem retornar ao Rio. “Quem disse que não vou prosperar aqui? Vou sim. Pretendo usar a herança do papai para fundar um jornal aqui em Campos”, fala ele, referindo-se a um veículo na linha progressista.

Lisiê diz que ele continua com suas idéias subversivas e que parece que a prisão não adiantou de nada. Tenório rebate que serviram sim para mostrar a importância de disseminar ideias de justiça social e de democracia. “É como um sacerdócio - por um novo Brasil”. Lisiê afirma que isso é coisa de comunista. “É curioso, mãe: nunca me chamam de comunista quando eu procuro aliviar a pobreza. Só quando eu vou buscar as causas dela”.

No meio da conversa, após garantir que, mesmo discordando do fututo escolhido por ele, vai lhe depositar a herança. Em seguida, ela o alfineta sobre os planos de se casar com Olívia. “Você tem certeza de que vai se prender à uma mulher “oca”, que não pode te dar filhos?”. O rapaz se irrita com o comentário e diz que a mãe usa linguagem grosseira. “A Olívia é a mulher que eu amo, com quem quero viver o resto da minha vida, e não um animal reprodutor”. Lisiê fala que não dirá mais nada...