Bruna Mascarenhas, a Rita de Sintonia: Atriz dá vida à jovem tragicômica em websérie autoral

Sucesso em produção da Netflix, atriz festeja projeto na quarentena que levanta temas sociais e culturais


24 de junho de 2020

Foto: Thiago de Lucena

Em seu primeiro trabalho no audiovisual, a série Sintonia, na Netflix, Bruna Mascarenhas já mostra que tem talento de sobra. Na trama, a atriz vive Rita, que cresceu junto com Doni (MC Jottapê) e Nando (Christian Malheiros) na quebrada, em São Paulo. Aos poucos, eles descobrem o mundo do tráfico das drogas, religião e também da música, e têm que lidar com tudo isso na busca dos seus sonhos. E enquanto não começa a gravar a segunda temporada, por conta da pandemia da Covid-19, ela se dedica a um projeto autoral, exibido em seu IGTV @brunamascarenhasbm.

Na websérie NeuROSE, uma comédia idealizada e protagonizada por Bruna, com criação e roteiro de Wagner D`Avilla e direção de Gabriel Manso, ela interpreta a neurótica assumida Rose, uma jovem de vinte e poucos anos que adora dramatizar as situações e que vê dilema em tudo. Nesse período de isolamento social, ela contou com a ajuda do namorado, Lipe Torre, como câmera. “Fazer um projeto autoral, uma personagem tragicômica, por si só já é um desafio”, conta.

WEBSÉRIE TRAZ O QUESTIONAMENTO: O QUE É SER NORMAL?

Em NeuROSE, o questionamento O que é ser normal? dá um pontapé inicial na trama. A protagonista Rose tem obsessão por detalhes e está sempre tentando resolver as crises existenciais, as relações conflituosas com a mãe, o pai ausente, o chefe, a melhor amiga, o vizinho, o atual e o ex namorado, com a terapeuta e com ela mesma. Rose mora sozinha em uma casa no centro da cidade, trabalha nas manhãs como cartunista de uma revista teen online e suas charges sempre retratam suas “neuras” afloradas com a quarentena.

Foto: Thiago de Lucena

INÍCIO DO PROJETO - “Já faz um tempo que eu queria realizar um projeto meu, voltado para um universo tragicômico, onde pudéssemos levantar questões sociais, culturais, entre várias outras. Foi quando, junto com o Chico Cassal, produtor da NeuRose, unimos pessoas queridas para somar. Um pouquinho antes do isolamento social começar eu já tinha parte da equipe e logo em seguida, entramos nessa pandemia. Eu tinha várias ideias de como queria a personalidade da personagem, a estrutura da insta série, por onde seria interessante a gente passar, mas nada concreto. Aí entrou o Wagner D'avilla, roteirista, que me trouxe a Rose e suas manias, neuras, questões e questionamentos, que podem ser os mesmos de muita gente.”

DESAFIO DE FAZER UM MONÓLOGO – “Está sendo muito desafiador. Inicialmente, quando escrevemos, foram inseridos outros personagens, ou seja, outros atores estariam nessa comigo. Mas com o isolamento, fomos nos adaptando com o que tínhamos. Mas acredito muito no universo, acho que as coisas acontecem na hora delas. Se não estivéssemos nos adaptando, a nossa Rose seria outra, a nossa estrutura e escolhas também, consequentemente. Os outros personagens seguem vivos para a Rose, mas ainda não aparecem pra nós”.

FOCO E DETERMINAÇÃO EM ESTREIA NA SÉRIE SINTONIA

Formada na CAL - Casa das Artes de Laranjeiras, no Rio, quando ainda estudava, Bruna entrou para a Companhia Duplô e posteriormente criou com amigos O Coletivo. A partir daí, fez uma série de peças e os curtas Xamã: A mulher selvagem e Areola. Mas sua estreia no audiovisual só aconteceu mesmo na série Sintonia. Natural de Niterói , Rio, em julho de 2018, ela decidiu investir ainda mais na carreira e se mudou para São Paulo. A atriz lembra que chegou na cidade com o dinheiro que economizou do antigo trabalho, muitos sonhos e objetivos.

Rita (Bruna Mascarenhas), Doni (MC Jottapê) e Nando (Christian Malheiros), nos bastidores de Sintonia. Foto: Divulgação/Netflix 

O foco de Bruna era tanto que ela fez o teste para Sintonia em um dia e no dia seguinte já soube do resultado. Assim,, com muita determinação, precisou trocar o sotaque carioca para o de paulista da quebrada. “Hoje vejo como eu cresci como ser humano, aprendi a confiar mais em mim e percebi que o desafio é algo que me instiga de uma forma que eu nem fazia ideia. Esse frio na barriga, essa insegurança, tudo foi positivo e propulsor pro trabalho acontecer”, constata.

Na trama da Netflix, a personagem de Bruna é Rita, uma menina de 18 anos que precisou amadurecer cedo por causa de uma família desestruturada. Transformou-se em uma jovem independente e corajosa, além de ter muita fé. Trabalha na rua e em trens como ambulante vendendo tudo que puder dar lucro. Em comum com a personagem, atriz conta também ter muita força de vontade e determinação para realizar o que acredita. Com ela, reforçou a ideia de que temos que nos responsabilizar pelas nossas atitudes e suas consequências. 

Gabriel Canella: “Reality Z critica o individualismo em tempos que precisamos de respeito ao próximo”

Eduardo Sterblitch estreia no Globoplay: “Quero dar ao público o protagonismo que ele merece”