Vitor Thiré sobre morte de Davi: “Susto! Mas é um fim interessante”

Ator diz que casal #DaviBele passou mensagem de que o amor supera barreiras


  • 02 de agosto de 2019
Foto: Karen Gadret


 

Por Luciana Marques

Para quem pisou pela primeira vez no palco de um teatro aos 6 anos de idade, e dos 11 aos 19 cursou O Tablado, nada mais natural do que aos 25 anos, Vitor Thiré esteja emendando trabalhos densos e importantes. Atualmente, ele interpreta o soldado Davi, em Órfãos da Terra. Para tristeza de grande parte do público, o personagem morre, em Israel, no capítulo que ira ao ar nesta sexta-feira, dia 2. “Tomei um susto!”, admite o ator.

O telespectador também! Ainda mais que Davi se viu transformado após se apaixonar por Cibele (Guilhermina Libanio). O romance puro do casal #DaviBele conquistou de cara o público. “Houve uma troca muito bacana entre mim e a maravilhosa Guilhermina”, conta. O telespectador vai sofrer nos capítulos de hoje e amanhã. Mas para matar as saudades do trabalho de Vitor, ele também pode ser visto na elogiada série Aruanas, do Globoplay.

No bate-papo com o Portal ArteBlitz, o ator conta ainda como é fazer parte de uma das famílias mais importantes das artes no Brasil. Vítor é bisneto da gloriosa Tônia Carrero, neto de Cecil Thiré, filho de Luisa Thiré, e sobrinho de Miguel e Carlos Thiré.

Davi (Vitor Thiré)Foto: Globo/Raquel Cunha

Como você recebeu a notícia da morte de Davi, imaginava esse fim para o personagem? Tomei um susto! Desconfiava da morte do Davi, mas claro que quando li no roteiro foi uma choradeira só. Mas faz parte. Acho um interessante desfecho para a personagem.

O público embarcou como nunca no romance de Davi e Cibele. Por que você acha que isso aconteceu, por que o telespectador comprou tanto esse romance? Creio que o público tenha embarcado no casal #DaviBele desde o primeiro encontro porque foi tudo feito com muita verdade, muito amor ao nosso trabalho e à história que estamos contando. Percebemos o tamanho da importância da mensagem.

 

Como foi a troca com a Guilhermina Libanio? Houve uma entrega e uma troca muito bacana minha e da maravilhosa Guilhermina para nossas personagens, e o resultado foi o melhor possível.

Há alguma identificação entre você e o Davi? Uma das principais coisas que acredito ter em comum com o Davi é a determinação. Somos decididos, não desistimos fácil daquilo que queremos.

Foto: Karen Gadret

Todo o ator diz que aprende algo com o personagem. O que você mais aprendeu ao viver o Davi nessa trama que é tão potente? Davi me ensinou, sobretudo, que o amor é realmente capaz de vencer e superar qualquer barreira.

Você também está no elenco da elogiada Aruanas. O que mais instigou você nesse trabalho ao viver um ativista ambiental? O fato de poder unir o que mais amo, que é atuar, com um tema tão urgente em ser discutido, que é a preservação da nossa Floresta Amazônica e a valorização e proteção dos nossos ativistas. Poder estar endossando este coro foi um privilégio.

E qual a importância de se mostrar uma trama como essa num momento em que o meio ambiente não está sendo tratado como deve no Brasil? Importância máxima. Nossa ideia é que Aruanas seja visto, literalmente, pelo mundo inteiro, para conseguirmos alcançar o maior número de pessoas capazes de ajudar e engajadas nesse movimento de preservação urgente do nosso pulmão do mundo e berço da maior biodiversidade mundial.

Você vem emendando trabalhos importantes, em séries, agora a novela, o Davi deixa a sua marca... E você só tem 25 anos. Acha que a base do teatro tem sido fundamental para você segurar trabalhos tão densos, receber essas oportunidades? Quase tudo que sei devo ao teatro. Pisei pela primeira vez nas tábuas sagradas aos seis anos. Depois de ter sido mordido pelo bichinho do teatro, aos 11, entrei na escola O Tablado e fiz até os 19. Sem dúvida, o teatro foi, é e será fundamental para que eu possa pesquisar, aprofundar e criar minhas outras personagens.

 

Viver de arte no Brasil não é fácil. Qual o conselho que você ouviu de sua bisavó, de seu avó, da sua mãe, tios, que você leva para sempre sobre a profissão? "Vai, meu filho, parabéns! Continua! Sabemos que é difícil, mas se é o que você ama, vai. Estuda!" Desde sempre minha família me apoiou muito. Tenho muita sorte de ser desta família.

Ter o sobrenome de uma família tão importante para a arte no Brasil faz você ter que provar duplamente o seu talento ou mais ajuda? Só faz com que eu seja desta família, o que é um privilégio, pois todos são maravilhosos. Não existe pressão, nepotismo, favoritismo, nada disso. Existe nossa família se amando e se apoiando, como toda família.

Julia Dalavia: “Será sofrido, triste, mas fortalecerá Jamil e Laila”

 

Filipe Bragança: “Há rumor de que está vindo um par para o Benjamin”



Veja Também