Segundo Sol: Karola destila ódio contra a “mamãezinha” Laureta

Com um canivete, perua quer saber o motivo do seu abandono na infância


  • 19 de outubro de 2018
Foto: Reprodução Globo


Na última semana de Segundo Sol, após descobrir que é filha de Laureta (Adriana Esteves) com Severo Athayde (Odilon Wagner), Karola (Deborah Secco) fica cara a cara com a sua “mamãezinha”.

A esta altura, Laureta está foragida da polícia, em Itaparica, numa propriedade que é da família Athayde.

Segundo Sol: O emocionante encontro de Luzia com Valentim

Segundo Sol: Luzia apoia Valentim a procurar Karola

KAROLA À LAURETA: “COMO É QUE VOCÊ TEVE CORAGEM, VOCÊ É MUITO PIOR DO QUE EU IMAGINAVA, MUITO PIOR”

E é o próprio Severo que conta a Karola onde ela se esconde. “Oi mamãezinha, querida”, fala, assim que chega na casa. Num primeiro momento, a cafetina diz que ela está louca, até que Karola explode. “Chega! Não adianta negar! Você é minha mãe! O pior de tudo é isso, eu sou sua filha, parece uma comédia mas é uma tragédia, mamãezinha”, fala.

Laureta tenta controlar a perua, mas não adianta. “Como é que você teve coragem, você é muito pior do que eu imaginava, muito pior, você me fez passar a vida pensando que eu fui abandonada por uma família pobre num convento, uma enjeitada, em nenhum momento pensou em mim, em como isso ia me marcar, em meu sofrimento, meu desamparo”, esbraveja.

Mas a cafetina intervém. “Eu lhe tirei de lá”, diz. “Com quantos anos? Quinze? Desesseis? Me levou pra sua casa como se tivesse me fazendo um grande favor, me prostituiu, fez de sua própria filha uma quenga, como você foi capaz disso? Não é possível que corra algum sangue aí nessas suas veias, que tenha um coração dentro de você”, acusa ela.

Até que Laureta escorrega. “Filha... Karola, deixa eu explicar”. “Não. Não deixo. Você me botou pra trabalhar como prostituta sabendo que eu era filha de um dos homens mais ricos da Bahia, eu podia ter tido irmãos, morar numa bela mansão”, afirma ela. “Severo não lhe quis!”, rebate Laureta. “Você não me quis! Você não me amava!”, acusa Karola.

A discussão fica cada vez mais feia, até que Karola pega um canivete no bolso da calça. Ela avança sobre Laureta, colocando a lâmina no pescoço dela. “Cala a boca! Eu devia te matar, é isso que você merece, desgraçada!”, ameaça. “Por que você não me quis? Eu fui uma criança tão horrível assim ao ponto de você me abandonar? Fala alguma coisa!”, pede.

LAURETA: “VOCÊ NÃO É ESSA PAMONHA CERTINHA QUE SE CONTENTA COM POUCO, KAROLA, VOCÊ É IGUAL A MIM, NESSE PONTO TENHO ORGULHO QUE PUXOU A MIM”

Até que a cafetina começa a falar. “Eu tive vergonha, eu era jovem demais, Severo era casado, eu achei que ia ser um vexame”, explica Laureta. “Teve vergonha de mim”, acusa Karola. “Da situação, não de você, eu era inconsequente, não tinha escolhido ser mãe, aconteceu, eu fui praticamente estuprada por Severo, Karola!”, revela. “Conta outra!”, fala Karola.

“Severo queria que eu tirasse, mas não tive coragem, a saída foi te levar pro mesmo convento onde fui educada. Eu passei pela mesma coisa que você, com aquelas mesmas freiras depois que meu pai foi preso pelos militares e minha mãe enlouqueceu”, explica a vilãzona. Mas Karola está tão possessa, que nenhuma explicação adianta.

“Além de tudo que você fez com minha vida, você fez de mim seu negócio mais lucrativo, sempre me chantageando pra arrancar mais um trocado de mim quando podia, sua vampira sanguessuga dos infernos!”, diz Karola. “O mundo seria muito mais bonito se você não existisse! E sou eu quem vai fazer justiça! Eu que vou acabar contigo, demônia!”, ameaça a perua.

Karola a segura pelo cabelo, novamente apontando o canivete. “Vai fazer o quê? Cortar minha garganta? Matar sua própria mãe?”, fala Laureta. “Agora você apela! Você é patética, mamãe!”, diz Karola. “Vai, mata então! Você não é capaz de matar, Karola”, afirma a cafetina. “Não tá nos meus planos me sujar com o seu sangue, não. Vou fazer melhor, vou entregar seu paradeiro pra polícia, você vai em cana!”, afirma a vilãzinha.

Mas Laureta continua tripudiando dela, dizendo que se ela fizer isso, vai ficar vendo Beto (Emílio Dantas) feliz com Luzia (Giovanna Antonelli) e Valentim (Danilo Mesquita), e ela se contentando com uma pensão de uns 10 mil reais. “Você não é essa pamonha toda certinha que se contenta com pouco, Karola, você é igual a mim, nesse ponto tenho orgulho que você puxou sua mãe! E eu sei que você vai fazer a escolha certa”, diz Lau.

“Vai se fiando nisso. Aproveita aí seus últimos momentos antes de ver o sol nascer quadrado, mamãe, que a polícia vem aí! Nem grana pra fugir você tem mais, essa ilha é pequena, mesmo que você tente se esconder, vai ser bem fácil lhe achar”, ameaça Karola, antes de sair. E assim que volta ao seu apartamento, ela encontra Beto, Valentim e Ionan (Armando Babaioff). Eles perguntam por Laureta e, mais uma vez, ela se vitimiza, se faz de sonsa e diz que não sabe nada.



Veja Também