Rayanne Morais: “Assim como a Graça sou guerreira, tenho essa força dela”

No Conversa de Folhetim, atriz de Topíssima festeja papel cômico, fala de conquistas e sonhos na vida e carreira


  • 18 de novembro de 2019
Foto: Carolina Goetze


*Veja o papo completo no vídeo, abaixo. 

Em sua terceira novela na Record TV, Rayanne Morais mostra que está segurando como nunca as oportunidades na carreira. Depois de viver a Joana, em Os Dez Mandamentos, em 2016, e a protagonista Pietra, em Belaventura, em 2017, a atriz faz bonito e sobe mais alguns patamares agora como a divertida, atrapalhada e também correta policial Graça, de Topíssima. “Eu conhecia o timing da comédia no teatro, mas trazer isso para a TV, não sabia como fazer. Foi um desafio gostoso”, conta.

No nosso quadro Conversa de Folhetim, em que os fãs mandam perguntas, a atriz contou ainda como foi o laboratório para viver a personagem. E diz que como Graça, ela é bastante guerreira. “Saí de casa cedo, a gente tem essa força em comum”, conta. Rayanne revela ainda que seria bacana fazer um par romântico com o seu namorado na vida real, o ator Felipe Cunha, que vive o Antonio na trama. Ela também comenta se é vaidosa, como lida com a fama, relembra a fase de Miss e fala se tem vontade de ser mãe.

Como foi viver a Graça? A Graça foi muito especial pra mim porque ela tem uma veia cômica e eu nunca tinha feito nada cômico na televisão, já fiz no teatro. Então eu conhecia bem esse universo, o timing da comédia, mas trazer isso para a TV eu não sabia como fazer. Porque no teatro você tem a resposta imediata do público na comédia. E na TV, não, você joga e vai saber daqui a alguns meses se aquilo está funcionando ou não. Então foi gostoso essa personagem, esse desafio pra mim na televisão. Mas confesso que deu um friozinho na barriga. Mas no fim das contas foi perfeito, me diverti muito com a Graça, aprendi muito com ela nessa trajetória.

Graça (Rayanne Morais). Foto: Blad Meneghel/Record TV

Quando teremos cenas quentes de André (Sidney Sampaio) e Graça? (risos) então, você viu que esse casal demorou para acontecer. Teve aquele envolvimento com o sem noção, ela embarcou nisso. Mas eu acho que eles se descobriram, e era um pouco difícil também par ao André, para eles se tocarem, porque eram muito amigos, na mesma profissão, trabalho. Ambos se admiram profissionalmente, então isso foi acontecendo. E eu acho que a Jade, personagem da Myrella (Victoria) foi um ponto chave pra essa relação acontecer. Ela que se tocou quando estava procurando a namorara para o pai, ela percebeu, ai, já tem a namorada dele aqui, é a Graça. E ambos começaram a se olhar, a perceber que daquela amizade tinha muito carinho, e aconteceu. Teve uma cena há pouco tempo que a Graça já queria terminar, ela é muito danada (risos). Mas aí o André foi lá, agarrou ela, disse, vamos com calma, vamos resolver essa história. Tivemos mais algumas ceninhas, mas para saber mais, vocês vão ter que assistir a novela.

Como foi viver uma policial, o que você mais aprendeu no universo destas mulheres tão guerreiras? Tenho um amigo nessa área e disse a ele que queria realmente viver esse universo. Pedi a ele e tive a honra de estar com eles em ações, inquéritos, conhecer realmente como é o trabalho deles. Pra mim foi primordial, acrescentou muito na construção da Graça. Eu eu pudi descobrir a garra, a força da mulher. Vi muitas mulheres batalhadoras e lindas, nenhuma delas deixou de ser mulher, cada uma com a sua vaidade, o seu jeito, e mulheres fortes. Então eu aprendi muito com esse laboratório, tanto para a Graça, e trouxe um pouquinho disso para minha vida.

Há alguma semelhança entre você e a Graça? Eu acho que é a coisa da mulher guerreira, eu sou muito guerreira, sai nova de casa, fui obrigada a amadurecer rápido, então isso me tornou uma mulher muito forte. Batalhei muito até chegar aqui, então isso foi me fortalecendo muito. Então eu acho que tenho isso em comum com a Graça, essa força que ela tem.

Foto: Caroline Goetze

Você gostaria de trabalhar novamente com o Felipe (Cunha), seu namorado na vida real, mas fazendo um par romântico? Por que não eu admito muito o trabalho do Felipe, acho ele um grande profissional, determinado, guerreiro, seria um grande prazer, um privilégio. Teve algo que aconteceu há pouco que correu o risco de a gente estar fazendo um par romântico ai, mas vamos ver o que o futuro nos reserva.

Você tem sonho de ser mãe, isso está próximo? Eu saí muito nova de casa, eu sai com a benção dos meus pais, com a confiança deles. Então eu sempre fui muito focada nos meus objetivos e para conquistar o que eu queria e o motivo de eu ter saído de casa. Eu sempre quis que eles tivessem, ah, eu não dei esse voto à toa para a Rayanne. Eu sempre quis dizer pra eles, pode confiar em mim, vai valer a pena. Na verdade eu nunca tive tempo nessa minha caminhada para pensar em ser mãe. Amo criança, tenho milhões de afilhados. Mas eu acho que Deus tem tempo para todas as coisas, e o tempo certo acho eu isso vai aflorar, vai acontecer.   

 

 

Felipe Cunha: “Assim como o Antonio, acredito no ser humano, prezo respeito”

Camila Rodrigues: “Sophia me trouxe uma força que eu não sabia que tinha”



Veja Também