Patricia Poeta: “Aqui sou eu, na essência, não crio uma persona”

Jornalista festeja 4 anos do É de Casa com a estreia de reality de culinária


  • 09 de agosto de 2019
Foto: Globo/João Miguel Júnior


 

Por Luciana Marques

Quem tem o privilégio de conhecer um pouco mais intimamente Patricia Poeta sabe que, além de simpática, disciplinada, workaholic, ela é muito generosa, divertida e daquelas que ri de si mesma. Eu posso dar esse depoimento porque trabalhei com ela nos idos de 1998 (abafa...rs), na Band TV/RS, quando ela iniciava sua carreira. Nessa época, ela nem imaginava que figuraria entre as grandes estrelas do jornalismo da Globo, à frente de atrações como Fantástico e Jornal Nacional, antes de migrar, há quatro anos, para o entretenimento, no É de Casa.

E foi no matinal de sábado que o público passou a conhecer uma Patricia mais descontraída, leve. “Essa é a minha essência, identidade, sou assim fora do vídeo, não crio uma persona”, conta ela. E a partir deste sábado, dia 10 de agosto, Patricia comanda dentro da atração o reality Minha Mãe Cozinha Melhor que a Sua. O quadro reúne famosos e suas mães competindo na cozinha, com a avaliação do chef Ravioli, e a estreia será com Paula Fernandes e Latino. A edição comemorativa trará o time completo de apresentadores: Zeca Camargo, Ana Furtado, Cissa Guimarães, André Marques e Patricia Poeta.

E eu, Dara (apelido do sul que ela me chama até hoje), me reencontrei com a Poeta num bate-papo com jornalistas em um intervalo das gravações. Confere aí a entrevista!

Patricia e o chef Ravioli. Foto: Globo/Victor Pollak

 

Você sabe cozinhar? Cozinho. Mas o meu ponto forte é doce. Eu tento dar uma segurada, mas o que eu gosto de fazer é bolo, biscoito, brigadeiro. Acho que desde criança sempre foi minha grande paixão e tentação também. Quando eu fiz a reeducação alimentar, eu dei uma seguradinha, mas de vez em quando eu faço. Porque ninguém é de ferro e um dos grandes prazeres da vida é comer.

Explica um pouco sobre esse novo quadro Minha Mãe Cozinha Melhor que a Sua? É um reality que é uma grande brincadeira, a gente tentou fazer duplas que tenham a mesma função, dois cantores, dois atores, dois humoristas... E a gente faz essa brincadeira com eles e as suas respectivas mamães. A mãe manda três receitas pra gente, a gente escolhe e é surpresa para o participante. Ele só descobre o que vai fazer segundos antes de começar a participar. Essa é a graça, a gente dá um determinado tempo e ele tem que fazer essa receita. E a mãe está ali para ajudar. A receita é da mãe, mas quem está na frente do fogão é o filho ou a filha. E a gente se divertiu muito nas gravações, cada episódio foi uma história diferente. E tem a coisa afetiva também, porque a gente acaba conhecendo um pouco dessa relação de mãe e filho. Nós conhecemos os famosos, mas não a mãe deles,  a pessoa que dá o carinho, o suporte.

Falando em afetividade, cozinha, você lembra de algum prato que aprendeu com a sua mãe e hoje faz também com o seu filho? A minha mãe fazia churrasco em casa. E o meu filho (Felipe), faz churrasco hoje. Mas tem um prato que me remete muito à infância, que minha mãe me ensinou a fazer, e até comi ontem... Quando bate uma saudade do sul, da mãe, de casa, e é o carreteiro. Não é com charque, é um carreteiro que a minha mãe criou. E eu mato a saudade.

Zeca Camargo, Ana Furtado, Cissa Guimarães, André Marques e Patricia Poeta festejam o É de Casa. Foto: Globo/Victor Pollak

O que você mais aprendeu nesses quatro anos do É de Casa? Muita coisa... O É de Casa é um programa que simboliza essa minha transição do jornalismo para o entretenimento dentro da TV Globo. Fiz muitas coisas desde então, estou fazendo agora esse reality, são mais de 30 minutos, um programa dentro do programa, fiz outro no GNT. E no É de Casa as pessoas podem me ver de uma forma diferente do que me viam, que era uma coisa mais séria. Agora eles veem a Patrícia na sua essência, mais alegre, que gosta de levar leveza para as pessoas, que sabe o momento da seriedade, mas sabe também o de brincar. E o É de Casa me deu essa oportunidade de mostrar um pouco isso. E eu acho que é o início desse caminho que eu quero trilhar.

No É de Casa você divide a apresentação e aqui você comanda sozinha o reality. Fale um pouco sobre essa experiência e se você acha que já é o momento de ter um programa só seu... Aqui eu apresento esse reality, já tive o Casa de Costura, no GNT, então quer dizer que nesse período de quatro anos, eu já fiz muitas coisas sozinha. Eu tenho vontade sim, acho que seria hipocrisia dizer que não, e estou trilhando um caminho pra isso. Mas estou muito feliz de estar no É de Casa, é um programa que me recebeu de portar abertas, que inclusive ajudei a criar. E é isso, eu tenho vontade sim de mais pra frente ter um programa, mas num momento certo. Enquanto isso estou com o meu reality aqui, estou trabalhando muito, a cada hora fazendo uma coisa diferente. E acho que era isso que eu queria quando entrei no entretenimento, me envolver com projetos novos. O entretenimento te proporciona isso, um dia eu estou gravando o reality, outro dia estou no GNT fazendo outro programa, estou aqui no É de Casa, no Encontro. E é um pouco isso, você vai praticando, se desafiando, e isso é muito bacana. E tenho sentido cada vez mais prazer no que eu faço.

 

E você já vem deixando a sua marca na apresentação, seu estilo, né? No entretenimento eu posso ser a Patrícia na essência, de rir quando tiver que rir, de ficar triste quando tiver que ficar, dar a notícia quando tiver que dar, conversar, se comunicar com as pessoas. E é o que eu sou fora do vídeo, eu sou muito uma pessoa na essência, não sou na aparência. Meus amigos falam muito isso, olham e já sabem se estou triste ou alegre. Eu sou aquilo que as pessoas estão vendo. O programa permite isso, te dá mais espaço de você falar coisas que pensa, além da notícia. E isso eu tenho gostado muito de fazer.

Se você tivesse um programa próprio, abordaria quais temas, por exemplo? Além de contar história, eu gosto muito de falar sobre relacionamento, de ajudar as pessoas a se entenderem melhor no dia a dia, porque cada vez mais se comunicam por mensagem, e a gente deixa de se falar. Mas eu sou muito de viver o momento, e nesse momento eu estou curtindo demais fazer o reality. Estou lamentando ter acabado as gravações. Foi muito divertido! Eu não sou muito de pensar naquilo que eu não tenho, sou muito realista. Se eu estou no entretenimento e trouxe algo do jornalismo, acho que é um pouco isso, tenho um pé da realidade, de viver o que eu tenho hoje, a oportunidade que me deram hoje. E eu estou curtindo demais esse quadro, esse momento aqui.

Michel Teló, Ivete Sangalo, Iza e Lulu Santos no The Voice Brasil 8

Com "tempero"! Veja quem está na disputa do Super Chef Celebridades

 



Veja Também