O Tempo Não Para: Sabino quer internar Marocas em um convento

Ela avisa que vai morar só, e o deixa intrigado ao dizer que agora é “uma mulher completa”


  • 09 de setembro de 2018
Foto: Reprodução Globo


Desde que teve a sua primeira vez com Samuca (Nicolas Prattes), Marocas (Juliana Paiva) se sente realmente uma mulher, mais forte e dona de si. Mas esse novo comportamento da filha deixará Dom Sabino (Edson Celulari) em pânico.

O pior é quando ela anuncia para a família que irá morar sozinha, já que rompera o noivado com Samuca.

O Tempo Não Para: Carmen dá um tapa na cara de Dom Sabino

O Tempo Não Para: Marocas se demite para choque de Samuca

SABINO PERPLEXO: “MAROCAS DISSE QUE É UMA MULHER COMPLETA. O QUE ELA QUIS DIZER COM ISSO?”

Toda a discussão entre Dom Sabino e Marocas começa quando ela vai tirar satisfação com o pai por ele ter ido até a praia em que ela estava com Samuca. No local, onde os pombinhos tiveram a primeira noite de amor, Sabino chega ofendendo Samuca por causa da descoberta de que a Samvita fica nas terras onde era a Fazenda dele. A filha, lógico, na hora rompe com Samuca.

Já na pensão, ela recrimina o pai por sua atitude. “Marocas... eu fiz o que fiz, porque achei que era o melhor a ser feito”, diz ele. “O senhor achou... mas agora não tem certeza, é isso?”. “Fiz o que era certo... Seu noivo mentiu pra você!”, fala Sabino. “Esse é o problema, meu pai. O senhor tem certezas demais”, acusa ela.

Marocas pontua que ela e Samuca estão apaixonados. E que Sabino poderia ter esperado ela voltar. “Mas, como sempre, o senhor foi intempestivo... não parou para pensar em nada... não parou pra pensar em mim”, cobra ela. Dom Sabino tenta interromper, mas se cala diante de um gesto incisivo de Marocas. “O senhor não se preocupou com os meus sentimentos. Não quis saber se me magoaria... não levou em conta a minha vontade... Quis resolver tudo do seu jeito... aos gritos, com a indignação do pai de uma criança que foi magoada”, emenda ela.

Marocas afirma que já tem discernimento para decidir o que é certo ou errado. E que quando ela precisar de conselho, irá procurá-lo. “Eu lhe tenho amor”, garante ela. “Eu agora sou uma mulher, meu pai. Uma mulher completa. Por favor, não ouse mais tomar decisões por mim. Não me subestime. Fazendo isso, o senhor só me afastará de si”, finaliza ela.

Dom Sabino reage, culpado, emocionado. O ex-nobre passa pela porta, mas volta, de repente. “Uma mulher completa? O que ela quis dizer com isso?”, pensa ele, perplexo e preocupado.

MAROCAS: “MEU PAI, NÃO VOU MAIS ME CASAR, COMO O SENHOR QUERIA... MAS VOU MORAR SOZINHA”

Depois da DR entre pai e filha, eles se encontram no jantar na pensão. O clima ainda é meio distante. Sabino aguarda um pedido de perdão da filha, assim como Marocas do pai. E nada, voltam a discutir. Até que Marocas interrompe e dá um aviso. “Meu pai... eu tenho uma coisa a dizer... Não vou mais me casar, como o senhor queria... Mas vou morar sozinha”, conta. Dom Sabino reage, lívido, e se engasga com um pedaço de pão.

Todos se preocupam, Marocas dá água ao pai. “Morar sozinha feito uma...uma”, diz ele, tossindo. “Uma o quê”, pergunta Marocas. “Você está sendo irresponsável, leviana”, diz ele. Marocas insiste, mas ele é ríspido. “Já escutei tudo o que precisava... Minha família não vai se esfacelar! Caso você insista nesse comportamento voluntarioso, desrespeitoso, eu internarei você num convento!”, ameaça.

Já a sós, os dois continuam a conversa. E Marocas avisa. “Amanhã mesmo vou procurar um lugar para mim”. “A cela de um convento”, rebate Sabino. “Talvez uma escola para moças... sem janelas, com um portão bem reforçado. E com um jardim interno, para o banho de sol matinal”, planeja ele. “Como um presídio”, diz ela.

Sabino pensa e fala. “Um lugar de estudo. Só preciso escolher a ordem religiosa”. Sarcástica, Marocas diz. “Para dominicana, sou muito magra; para jesuíta, muito boquirrota, como o senhor diz; e, para beneditina, muito ignorante... E agora, meu pai?”. “Talvez a ordem das carmelitas descalças, como a sua tia-avó”, sugere ele.

Sabino continua com seus planos. “Você ficará encerrada no convento por dois anos. O tempo suficiente para se arrepender... E depois, se casará. Não com o mentiroso Samuel, é claro”, fala ele. “Casarei com quem eu escolher”, avisa ela. “Decerto... Não! Com que eu escolher! Um bom partido, um homem bom e nobre!”, adianta Sabino.

Mas Marocas surpreende o pai. “Infelizmente, meu pai, eu não tenho mais os requisitos necessários para entrar num convento. Talvez me aceitem... apenas postulante, ou como noviça servente”, diz ela. E logo ela avisa que já escolheu o seu caminho, e que não é num convento.

Mas ele insiste. “Uma mulher é um ser abençoado, que dá à luz os nossos filhos... o esteio do lar, o pilar moral da família... A mulher precisa ser protegida!”, diz ele. Nisso, Marocas perde a paciência. “Meu pai... Cale a boca!”, diz ela, que sai, deixando Sabino perplexo.



Veja Também