Éramos Seis: Felício e Isabel vivem um “encontro de almas”

Paulo Rocha e Giullia Buscacio falam sobre a paixão arrebatadora do casal


  • 27 de dezembro de 2019
Foto: Globo/João Miguel Junior


Com pensamentos à frente do seu tempo, Isabel (Giullia Buscacio) sempre disse querer viver um amor arrebatador. Algo que a fizesse sentir “borboletas na barriga, parecido com o que sentem a sua tia Clotilde (Simone Spoladore) e Almeida (Ricardo Pereira). E mesmo namorando Lúcio (Jhona Burjack), se esforçando para que a relação dê certo, ela sabe que não pode mandar no coração.

Eis que durante o baile no Clube Inglês, a filha caçula de Lola (Gloria Pires) vivenciará esse sentimento pela primeira vez. E será quando ela cruzar seus olhos com os de Felício (Paulo Rocha), claramente bem mais velho do que ela. Mas nada, muito menos isso, os inibe de se aproximarem. Tanto que eles dançam juntos até a festa acabar.

Nem mesmo quando Julinho (André Luiz Frambach) os aborda, ainda mais porque ninguém conhece esse homem. A conexão entre eles é tão grande que, mesmo depois do baile, eles buscarão formas de se encontrar. Até que se veem perdidamente apaixonados. O que Isabel não sabe é que Felício é casado no papel. Assim, ela viverá o mesmo dilema que Clotilde passou com Almeida, há 10 anos. A pergunta é: será que ela tomará a mesma decisão da tia, atendendo às convenções sociais, ou se permitirá viver esse amor?

PAULO ROCHA: “A APROXIMAÇÃOO DELES  É UM ENCONTRO DE ALMAS" 

Paulo Rocha. Foto: Globo/Paulo Belote

Quem é o Felício? Felício é um homem profissional, concentrado, trabalhador, mas também pouco feliz e pouco esperançoso no amor. Até que surge essa menina que o arrebata completamente e que o faz voltar a acreditar que é possível ser feliz. E ele vai lutar com todas as forças por esse amor.

E como será essa aproximação dele com a Isabel, ele sendo um homem desquitado, ela uma menina... A aproximação deles é um encontro de almas. Existe uma atração física clara muito importante que faz eles se atraírem como dois ímãs. Mas depois é mais que isso. Eles são duas pessoas à margem das convenções sociais da época. A Isabel por presenciar o que a tia passou, sofreu e sofre, não poder concretizar esse amor que ela tanto quer. E Felício porque já viveu um casamento infeliz, já estava desacreditado que poderia encontrar a felicidade em alguém e de repente eles dois se encontram e se fascinam.

GIULLIA BUSCACIO: “ELA TERÁ QUER SER FORTE E DETERMINADA PARA VIVER ESSE ROMANCE"  

Giullia Buscacio. Foto: Globo/Paulo Belote

O que se pode esperar da chegada desse novo amor, o Felício, um homem mais velho, maduro? Essa é uma resposta que só nossa autora pode dar (risos). Ainda não sei como será o desenvolvimento dessa história. O que eu sei é que, de fato, será um grande amor para Isabel. E um amor que, para época, será uma grande questão. Ela terá que ser forte e bem determinada para viver esse romance.

E o Lucio, tadinho, você acha que a Isabel nunca gostou realmente dele? Acho que ela gosta, mas não dá mesma forma que ele. Não é aquela paixão que dá “borboletas no estômago” (risos). Esse sentimento, ela ainda vai descobrir. Mais legal da Isabel é que o público tem a oportunidade de acompanhar o amadurecimento dela.

Carol Macedo sobre Carlos e Inês: “Apesar de ter chegado na hora errada, ela vai lutar pelo seu amor” 



Veja Também