Day Mesquita será Maria Madalena na novela bíblica Jesus

Atriz fala sobre fé: “O amor é a base de todas as religiões. É nisso que acredito”


  • 08 de junho de 2018
Foto: Jeff PortoPaul


Por Luciana Marques

*Entrevista também em vídeo, abaixo.

Com 14 anos de carreira, Day Mesquita vem emendando papeis importantes, fez a vilã Yunet na primeira fase de Os Dez Mandamentos, e mais recentemente a dona Ester Bezerra, esposa do bispo Edir Macedo no filme Nada a Perder, sobre a vida dele.

Agora, a atriz de 32 anos se depara com um novo desafio e tanto. Day foi escalada para viver Maria Madalena, em Jesus, nova trama bíblica da RecordTV, com estreia no segundo semestre deste ano. “É uma personagem riquíssima, com muita coisa a ser explorada”, conta.

Para a atriz, atuar em tramas bíblicas também é uma forma de alimentar a própria fé que tem dentro dela. Apesar de se identificar com o budismo e o espiritismo, ela garante que não é budista, nem espírita. “O amor é, ou pelo menos deveria ser, a base de todas as religiões, então é nisso que acredito”, ressalta ela, que estreou na TV em Dance Dance, da Band, em 2007, e atuou também nas globais Cheias de Charme e Além do Horizonte.

Foto: Paulo Bezerra

Como recebeu o convite para viver a Maria Madalena, uma personagem tão importante, na novela Jesus?

Como já tinha trabalhado na casa em algumas produções e também fiz o longa, acredito que daí surgiu o convite e estou muito feliz em fazer parte desse elenco incrível! 

Que tipo de preparação você tem feito, assistido a filmes, lido a Bíblia?
 

Estou bem no começo do processo ainda. Como a minha personagem entra na terceira fase da novela, estou tendo um pouco mais de tempo nos estudos de pesquisa antes de iniciar a preparação de elenco. Temos algumas referências passadas pelo nosso diretor (Edgard Batista) de filmes e livros e é neles que estou mergulhando nesse primeiro momento.

Alguns definem Maria como pecadora, prostituta e impura, outros como santa, fiel e seguidora mais querida de Jesus. Para os historiadores, ela continua sendo um mistério... Pelo menos, para você, é uma personagem com muitas tintas, não?

Eu ainda não sei como a personagem será abordada na trama, temos poucos capítulos ainda, mas o que todos sabemos é que ela estava presente em momentos importantíssimos dessa linda história. Sei que serão muitas cenas de grandes emoções, é uma personagem riquíssima, com muita coisa a ser explorada.

Como a dona Ester Bezerra, no filme Nada a Perder. Foto: Divulgação

Você tem feito muitas tramas bíblicas, recentemente o filme do Edir. O que tem mais aprendido nesses trabalhos, que falam bastantes sobre fé?

Vivi personagens de muita fé nas novelas bíblicas e no filme, e independente do que eu acredito, no momento em que estou mergulhada em um processo de trabalho, preciso acreditar no que o personagem acredita, sem julgamentos, sem críticas, para conseguir me aproximar dele, esse é o meu ofício. Todos os personagens que fiz deixam algo em mim, acredito que atuar é uma troca, dou tanto de mim quanto ganho dos personagens. Esses personagens que tinham uma ligação grande com a fé, de certa forma alimentaram mais a fé que eu tinha dentro de mim. Não em alguma religião, mas no que eu acredito, que é no amor, nas pessoas, na verdade, na minha intuição.

Qual a sua relação com religião?

Me identifico muito com a filosofia do budismo e do espiritismo, mas não sou budista e nem espírita, não gosto de me definir em nenhuma religião. Acho que o amor a si mesmo e ao próximo é a primeira coisa que temos que saber e aprender. O amor é, ou pelo menos deveria ser, a base de todas as religiões, então é nisso que acredito.

O filme Nada a Perder foi muito comentado. O que você mais se surpreendeu com a vida do Sr. Edir Macedo, interpretando a esposa dele?

É uma história de superação e amor desse casal. O roteiro mostra das situações mais comoventes até as mais engraçadas que esse casal viveu. Eu sabia poucas coisas sobre a vida dele, então a história toda foi uma descoberta.

Como a vilã Yunet na primeira fase de Os Dez Mandamentos. Foto: Divulgação/RecordTV

Desde a sua estreia na TV em Dance, Dance, você tem feito trabalhos bacanas. de Tudo tema acontecido da forma que você esperava, no tempo certo? Como avalia a sua carreira?

Eu não tenho dúvidas que tive as oportunidades certas nos momentos exatos na minha carreira. Tenho 14 anos de profissão, e tudo sempre aconteceu de forma gradativa, mas consistente e crescente.

Mas a gente sabe também que é uma carreira difícil, de altos e baixos. Como você lida com isso, já passou por perrengues, muito nãos?

Sim. Já passei por alguns altos e baixos. Alguns momentos difíceis me fizeram questionar se eu gostaria mesmo de seguir com a carreira. Mas toda vez que isso acontecia eu não me via fazendo outra coisa, atuar sempre foi o que me movia, é o que me faz feliz e o que eu amo fazer. Então, esses momentos serviram para me fortalecer mais e dar mais valor a cada conquista.

Day por Day, como se definiria?
Uma pessoa muito grata por todas as coisas que tem acontecido na minha vida.



Veja Também