André Luiz Frambach: “Mais um trabalho que eu conquistei com muito esforço”

Ator é o ambicioso Julinho em Éramos Seis e volta a fazer par com a namorada, Rayssa Bratillieri


  • 07 de setembro de 2019
Foto: Globo/Paulo Belote


Por Luciana Marques

*Veja a entrevista completa no vídeo, abaixo.

De ator mirim no especial Por Toda a Minha Vida , em 2007, a uma das apostas da Globo após viver o rebelde Márcio, em Malhação: Vidas Brasileiras, em 2018. E o resultado agora não poderia ser diferente: o ator está no núcleo principal da nova trama das 6, Éramos Seis, com estreia em 30 de setembro, como o Julinho, na segunda fase, um dos filhos dos protagonistas Lola (Gloria Pires) e Julio (Antonio Calloni). “Nada é dado. É mais um trabalho que eu conquistei com muito esforço, mérito e testes”, conta.

Para a alegria de sua legião de fãs, André atuará novamente ao lado da namorada, a também atriz Rayssa Bratillieri, com quem fez o par mais amado de Malhação: #Peromar. E eles devem se reencontrar novamente como um casal na novela. Rayssa dará vida à mimada Soraia, e os personagens acabam juntos nas outras versões. Atenção, já tem até hashtag: #Juraia. “É gostoso demais a gente se reencontrar. A gente já era muito amigo e parceiro antes de namorar”, diz.

Na novela, Julinho será irmão de Carlos (Danilo Mesquita), Alfredo (Nicolas Prattes) e Isabel (Giullia Buscaccio). 

Bigode

“Estava com a barba grande e antes de fazer a caracterização, tirei a barba e deixei o bigode. Eu pensei, o personagem tem 20 anos e eles não vão querer deixar bigode, deixo até a caracterização. E eles gostaram. E eu estou adorando, muda o rostinho um pouco, tira essa carinha de criança. E ele quer se sentir mais velho, um pouco como o irmão Alfredo”.

Foto: Globo/Paulo Belote

Julinho

“Ele é um pouco dessa mistura controlada do gênio certinho do ao extrema do Carlos (Danilo Mesquita), de ser chato, de ser quase um pai, que na verdade é aquele irmão mais velho que quer que os irmãos deêm mais certo até do que ele. E fica aquele irmão insuportável, estudioso demais. E do Alfredo (Nicolas Prattes), que é aquele revolucionário, que só quer saber da esbórnia, de curtir a vida, de ir para o cabaré. E o Julinho é esse equilíbrio. Ele tem uma malandragem com as meninas, as mulheres, em casa ele é mais certinho. Mas também é ambicioso”.

Remake

“Até o Tony Ramos já fez o papel do Julinho. Eu vi alguns capítulos da novela de outra versão para eu poder me inspirar e entender como funcionava tudo na época do que eu pegar o Julinho como exemplo. Justamente por todos terem feito tão bem, a gente podia acabar roubando um pouco, e eu acho que o personagem tem que nascer dentro da gente”.

A visibilidade de Malhação ajudou você a ganhar esse papel?

É difícil falar te deu... Eu acho que nada é dado, tudo é conquistado. Mas de certa forma Malhação me deu essa visibilidade. Porque a gente que trabalha desde pequeno é sempre considerado o ator mirim, enfim... E é difícil fazer essa mudança para as pessoas enxergarem. Então eu acho que Malhação me deu esse ar de mais velho, eu estou aqui, eu amadureci, eu consigo fazer outras coisas. Eu acho que esse personagem, o Julinho, é mais um trabalho que eu conquistei com esforço, com muito mérito, dedicação e muito teste. Foi um presente dos diretores acreditarem em mim”.

Em cena novamente com Rayssa

“Sim, a gente tá junto nessa novela. Os nossos personagens vão se encontrar aí, provavelmente a gente fique junto. Isso é coisa das outras novelas, a Soraya ficar junto do Julinho, nessa versão o nome é Soraia. Mas não sei se ela é apaixonada por ele, só quem pode responder as motivações da personagem é a própria Rayssa. Mas é gostoso demais a gente se reencontrar, a gente é muito parceiro, a gente sempre foi antes de ter uma relação como namorados. A gente sempre foi muito amigo e a gente sempre respeitou muito o outro, a construção da personagem do outro. E eu sempre falo, eu acho que o nosso outro casal deu tão certo porque um sempre quis que o outro fosse melhor, eu queria que ela aparecesse mais na cena do que eu e vice-versa”.

 

A hora de Carol Castro: “Momento de um reconhecimento de fato na carreira”

Marcos Palmeira: “Falam, reage Amadeu, corre atrás dessa mulher”



Veja Também