Peça Por Elas mostra histórias reais de violência contra a mulher

Com entrada gratuita, montagem faz refletir sobre “feminicídio”


  • 11 de agosto de 2018
Foto: Marcelo Carnaval


No ano em que a Lei Maria da Penha completa 12 anos em vigor, a violência contra a mulher é o tema da peça POR ELAS, em cartaz de quarta a sábado, no Museu da Justiça – Centro Cultural do Poder Judiciário (CCMJ), no Rio. Com entrada gratuita, através da retirada de senha, a montagem tem dramaturgia assinada pelo advogado e dramaturgo Ricardo Leite Lopes, em parceria com Sílvia Monte, responsável também pela direção.

A montagem, criada a partir de histórias reais, passeia pelo épico e pelo dramático, pelos tempos presente em passado. Ao final das apresentações nas quartas-feiras, há um debate sobre o assunto. No elenco, Adriana Seiffert, Ana Flávia, Deborah Rocha, Elisa Pinheiro, Gisela de Castro, Letícia Vianna, Renata Guida, Rosana Prazeres, Anderson Cunha, Lucas Gouvêa.

Foto: Divulgação

Fernando Ceylão, Flávia Monteiro e João Camargo em Bonifácio Bilhões

Tonico Pereira estreia monólogo O Julgamento de Sócrates em SP

TEATRO É O LOCAL IDEAL PARA A REFLEXÃO SOBRE O TEMA

Cada uma das sete personagens femininas carrega histórias reais de outras tantas mulheres brasileiras vítimas da violência. E, sem se conhecerem, se reúnem para falar sobre o assunto. Conforme os relatos vão acontecendo, os conflitos, preconceitos, a dor e a própria violência surgem no grupo.

“O teatro, ao representar os conflitos e as ambiguidades do humano, acolhe e aproxima - de forma menos cruel - as pessoas da realidade. O espetáculo se propõe a ser um espaço de comunicação, sensibilização e visibilidade para o fenômeno da violência de gênero. Precisamos pensar sobre essa questão, e o teatro é um lugar ideal para atingir mentes e corações”, defende Sílvia Monte, também idealizadora do projeto.

Foto: Marcelo Carnaval

PEÇA MOSTRA QUE “FEMINICÍDIO” É PASSÍVEL DE PREVENÇÃO

O texto da montagem é inspirado pela pauta que o Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro desenvolve no combate à violência doméstica. Em 2016, o CCMJ, por meio do programa Teatro na Justiça, iniciou estudos sobre o tema, com o objetivo de criar uma peça que contribuísse com a reflexão, a prevenção e o enfrentamento da violência contra a mulher pela sociedade brasileira. 

“A peça trata do ‘círculo da violência’ e do ‘feminicídio’, assassinato cometido contra a mulher em razão desta condição, em geral praticado por alguém do âmbito doméstico e familiar. O feminicídio é um crime anunciado, precedido por outras formas de agressão que formam o ‘ciclo da violência’, e portanto passível de prevenção”, explica a diretora.

POR ELAS. Até 01/09. CCMJ, Sala Multiuso, Antigo Palácio da Justiça. Rua Dom Manuel, 29, Centro, Rio. De quartas a sáb., às 19h. Entrada gratuita (com distribuição de senhas às 18h30). Duração: 80min. Classificação: 14 anos.



Veja Também