Espelho da Vida: Cris acredita que Danilo é o amor de sua vida

Jovem conhece professor nos anos 30, e ele não é o Alain


  • 05 de outubro de 2018
Foto: Globo/João Miguel Júnior


Depois da última tentativa frustrada de “voltar ao passado”, como Julia Castelo, por conta da presença de Margot (Irene Ravache) na casa, finalmente, Cris (Vitória Strada) fará uma nova “viagem no tempo”.

E dessa vez, ela avisa à amiga Margot que fará tudo direitinho, entrará na casa sozinha, e prestará a atenção no pêndulo do relógio. “Vai dar tudo certo, vou ficar atenta às batidas do relógio. Hoje eu vou ver o rosto do Danilo, Margot é como se fosse um chamado. Não posso mais esperar”, diz ela, entusiasmada, sobre o professor de pintura de Julia, Danilo (Rafael Cardoso).

Espelho da Vida: Cris decide se encontrar com Danilo nos anos 30

Espelho da Vida: Cris diz a Alain que não fará mais o filme

CRIS SE IMPRESSIONA AO DESCOBRIR, NOS ANOS 30, QUE DANILO NÃO É ALAIN

Quando encontra a mulher misteriosa, guardiã da casa, ela fala que tem alguém junto com Cris. Mas a jovem diz estar na sozinha. O que acontece é que a vilã Isabel (Alinne Moraes) fotografa tudo de longe. “O que está acontecendo naquela casa?”, quer saber ela. Mas Cris entra na casa, desta vez vê o quadro com o retrato de Julia na parede, vai até o quarto dela, coloca o vestido da jovem e o camafeu no pescoço.

E faz sobre o espelho um movimento em espiral. Mas nada acontece. Ela tenta de novo, e ocorre a vertigem, a volta pelo avesso, está nos anos 30. E ela vê o quarto todo novo. Logo, a mãe de Julia, Piedade (Julia Lemmertz), entra no quarto. “Já está vestida, Julia, finalmente. Não parece nada animada com essas aulas de pintura”, diz. Piedade a acha Pálida e pede para colocar um pouco de carmim nas bochechas. Ela obedece. “Está linda, filha! … O professor Danilo já está lá embaixo”, fala a senhora.

As duas seguem em direção ao gabinete onde se encontra Danilo. “Aí está seu professor, Julia. Professor Danilo”, apresenta Piedade. E diante de Cris surge um rapaz bonito, com belo olhar. A jovem tem que se segurar porque as pernas tremem quando o seu olhar se encontra com o dele. “Senhorita, como está”, diz ele.

“Como está, professor?”, fala a jovem, contida. “Como lhe disse a Julinha é muito talentosa. Vai lhe mostrar os desenhos que faz. Tem planos de se aperfeiçoar em Paris. Soube que o senhor chegou há pouco de lá, não é verdade?”, pergunta Piedade. “Sim, sim, madame Castelo”, conta ele.

CRIS À MARGOT: “TENHO A SENSAÇÃO QUE O DANILO, O HOMEM QUE EU VI, QUE CONHECI NO PASSADO, NA VIDA DE JULIA, É O AMOR DA MINHA VIDA”

Piedade pede à Cris para ela mostrar-lhe os seus desenhos, mas a jovem diz que não os trouxe. Mantendo certa distância, Cris e Danilo olham um no olho do outro. “Já nos vimos antes”, fala ele. “Não, eu não o conheço”, diz ela. E ele quer saber se ela não estudou pintura no Liceu. E ela confirma. Nisso, a empregada Bendita entra com café e biscoitos, mas a cachorrinha Bijou a desequilibra, e cai tudo.

Danilo a ajuda, mas logo Piedade entra, e não gosta nada do que vê. “Mon limoge, Bendita! O que você fez, criatura?”, recrimina. Trêmula, Bendita tenta explicar. “Não foi de propósito, eu juro”, fala. E Danilo a interrompe. “Bendita não teve culpa, eu esbarrei na bandeja sem querer, madame, peço mil desculpas e faço questão de reparar o prejuízo”, fala o jovem.

E Cris ali, gostando da atitude dele. Cris e Danilo ficam à sós, ele a puxa pela mão até a janela. “Tem um belo rosto, senhorita tomara que eu consiga captar a luz que ele transmite”, elogia. Os dois conversam por muito tempo sobre os costumes da época, escravidão, com mútuo encantamento. E Cris tem que lembrar que está em 1932. Até que o relógio toca e ela tem que “voltar” a 2018.

Sem fôlego, sai correndo da casa e encontra Margot. Ela leva Cris até a fazenda da família. Lá, Cris faz uma revelação. “Estou ficando doida! Tenho a sensação que o Danilo, o homem que eu vi, que conheci no passado, na vida da Julia, sei lá, é o amor da minha vida”, constata. “Mas o Danilo não é real, Cris”, diz Margot.

“Eu sei ! O Alain é real, e é o Alain que eu amo! Foi como se a Julia tivesse sentido aquilo, não eu, Cris. Mas estou péssima, como se tivesse traído o Alain!”, constata. Mas Margot acalma. “Você está vivendo uma experiência fora dos padrões, muito forte, intensa, é normal que se sinta confusa”, diz ela.



Veja Também