Gênesis: Sheshi se abala com notícia sobre filho após retorno triunfal de Kamesha ao Palácio

Faraó se dá conta que cometeu injustiça com a amada, mas nova atitude de Apepi estraga a sua felicidade


11 de outubro de 2021

Foto: Reprodução Record TV/Montagem

Nos próximos capítulos de Gênesis, Sheshi (Fernando Pavão) manda buscar Kamesha (Kizi Vaz) para viver novamente no Palácio. Após uma conversa com a pilantra Adja (Julli Maggãl), ele tem certeza que a amada realmente não teve nava a ver com o atentato que causou a morte de sua irmã, Amarilis (Marianna Alexandre). Feliz com o retorno da esposa, ele prepara uma recepção grandiosa.

Adurrá (Ricardo Lyra) anuncia a sua chegada. “A segunda esposa real e a comitiva da Núbia, soberano”. Sentado em seu trono, Sheshi aguarda, ansioso, para rever Kamesha depois de anos. Até que se levanta. Merianat (Samia Abreu) não esconde a raiva. Logo atrás de um servo forte e alto, Kamesha surge plena e linda, com roupas e acessórios do estilo da Núbia. Sheshi a olha, encantado.

PRESTES A TER NOVAMENTE UMA NOITE DE AMOR COM KAMESHA, SHESHI RECEBE RECADO DE APEPI E SE DESESPERA: “ELE ESTÁ COM O MEU FILHO”

Kamesha se aproxima do trono com uma expressão séria e enigmática. O faraó e a segunda esposa se encaram, por instantes. Até que ela abaixa o olhar e faz uma reverência ao marido, que não esconde a emoção. Momentos depois, em seus aposentos, o rei a espera, cheio de saudade. Ela entra e fica a certa distância dele, enquanto o faraó espera que corra para os seus braços. “Kamesha...”. Mas ela se mostra fria e somente o olha, por instantes.

Até que fala, de forma direta e seca. “Onde está o meu filho?”. Sheshi não responde, meio sem entender. “Quero saber por que você ordenou que o meu filho voltasse da Núbia mais cedo do que o combinado?”. Nessa hora, o faraó se preocupa. “Eu não mandei que ele voltasse”. Kamesha fica confusa. “Como não? A caravana de soldados e servos do Egito foram até à Núbia e o buscaram”. Nesse exato momento, há batidas urgentes na porta.

É Menkhe (Renato Rabelo), aflito. “Senhor das duas coroas! É urgente!”. O faraó diz para ele entrar. O escriba conta que chegou nova mensagem com uma pena de pardal. Kamesha e Sheshi se assustam. O rei pega o papiro e vai ficando alarmado com o que lê. “Apepi está com o meu filho”, diz. Kamesha pega o papel das mãos dele. “Se tivesse dado ouvidos à primeira mensagem que enviei, já estaria com seu filho nos braços”, diz o recado.  

No papiro, o ex-faraó do Egito fala que Sheshi subestima o poder dele. “Não há segurança que eu não possa burlar ou esconderijo que eu não possa alcançar”. O rei reage, com um misto de raiva e aflição. Kamesha continua lendo, desesperada. “É melhor não desprezar esse segundo aviso, porque ele impedirá a... morte do seu filho!”. Menkhe percebe o nervosismo de ambos e termina de ler. “Para salvá-lo, você terá que vir atrás dele. Se mandar Potifar, ele morre. Se mandar o exército, ele morre”.

O recado é um só a Sheshi. “Só você pode salvar o seu filho. Siga as minhas instruções com afinco ou nunca mais verá o seu primogênito”. Kamesha chora. Sheshi também está atônito e com medo. “Calma, eu vou resolver isso...”, garante ele. Menkhe pergunta o que pretende fazer. “Não tenho escolha. Vou atrás do meu filho”. No papiro, é indicado o local. “Siga o caminho sagrado até os pés daquela que guarda os três reis”, lê Menkhe, deixando-os intrigados.