Gênesis: Sheshi joga Asenate nos braços de José e anuncia que ela será esposa do novo Governador do Egito

O Rei surpreende o casal ao fazer o comunicado momentos após o rapaz ser inocentado de grave acusação


08 de outubro de 2021

Foto: Reprodução Record TV/Montagem

Nos próximos capítulos de Gênesis, Sheshi (Fernando Pavão) anunciará Asenate (Letícia Almeida) como futura esposa de José (Juliano Laham), o novo Governador do Egito. Ele mandará buscar a filha de Pentephres (Nando Cunha), no seu harém, momentos antes de anunciar José como o segundo homem mais poderoso do Egito.

Sem que o pai, nem o Rei saibam, Asenate está presa num dos quartos do palácio por Adurrá (Ricardo Lyra). O vizir do faraó a obrigou a aceitar seu pedido de casamento para proteger a vida de Abumani (Dudu de Oliveira). Na sala do trono, Sheshi conversa com Pentephres, que fica atônito com o que ouve. “Vai ser um prazer, senhor. Uma verdadeira honra!”, fala o sacerdote, surpreso. “Está decidido, então”, diz o Rei.

SHESHI DIZ QUE PARA O NOVO CARGO, ELE PRECISA SER UM HOMEM CASADO: “POR ISSO, ESCOLHI A ASENATE, FILHA DE PENTEPHRES, SACERDOTE DE OM, PARA SER A SUA ESPOSA”

O faraó pede para Adurrá trazer a filha de Pentephres até a sala do trono. O pilantra ainda tenta argumentar, mas é fulminado pelo olhar do faraó. Assim chega com ela, tdos  todos percebem que a jovem não está bem, até Sheshi. Mas a jovem disfarça. “Já tinha ouvido falar da beleza de sua filha, mas não imaginava que era tão bela”, diz ele O Rei avisa que logo ela saberá o motivo pelo qual a chamou ali.

Asenate também não entende o que José está fazendo naquela sala, se ele estava preso. Inclusive, a moça chegou a desconfiar que o rapaz pudesse ter mesmo abusado de Neferíades (Dandara Albuquerque). Lá, instantes depois, ela acompanha todo a humilhação da esposa de Potifar (Val Perré), pega no flagra com o amante Teruel (Amauri de Oliveira). E vê também José ser inocentado de qualquer acusação.

Assim que acaba o “circo”, Sheshi vira-se para Adurrá. “Satisfeito com a prova de que o novo governador do Egito não é criminoso?”, diz o Rei. O vizir engole o ódio e dá um falso sorriso. Asenate não entende. “Governador do Egito, pai?”, fala ela, a Pentephres. “Sim. E você já vai entender tudo, filha”, avisa o sacerdote, com um sorriso no rosto. Sheshi pede para José e também para Asenate se aproximarem dele.

Nessa hora, ele se vira para José. “Como governador você precisa de um nome egípcio. A partir de agora será chamado de Zafenate-Paneia”. O rapaz tenta processar o turbilhão de acontecimentos. “E devido a sua posição, pra ser oficializado, precisa ser um homem casado”, avisa o faraó. José e Asenate estão apreensivos, não se olham, mas começam a entender. “Por isso, eu escolhi a Asenate, filha de Pentephres, sacerdote de Om para ser a sua esposa”.

José e a moça ficam em choque. Adurrá não esconde o ódio. Asenate olha para José aliviada e encantada, e sorri. Já o ex-escravo, não a olha ainda, e se mantém atento às palavras de Sheshi. A filha de Pentephres murcha, decepcionada. Já quando José a olha, pronto para dar um sorriso, a vê séria, e fica cabisbaixo. Os dois prestam a atenção no que o Rei fala. “Que todas as providências sejam tomadas. Amanhã o novo governador será oficializado diante do povo e vai se casar”.

Asenate olha na direção de Adurrá e percebe o ódio dele. Nesse momento, ela sussura para José. “Traz o Abumani”. José estranha. “Confia em mim”, insiste a moça. Sheshi percebe os dois cochichando e pergunta se José tem algo a falar. “Sim soberano. Gostaria de nomear um homem da minha confiança pra me auxiliar nessa empreitada. Abumani. O sacerdote Pentephres conhece”. O faraó assente e dá ordem a um de seus homens para buscá-lo. Adurrá percebe e fica possesso com Asenate. Ela se despede rápido e sai, sem mesmo falar com José, que estranha.