Gênesis: A noite de núpcias de José e Asenate não sai como o esperado

Após o casamento, eles seguem para a luxuosa casa do  Governador do Egito e ficam a sós pela primeira vez


10 de outubro de 2021

Foto: Blad Meneghel/Record TV/Montagem

Nos próximos capítulos de Gênesis, a tão esperada noite de núpcias de José (Juliano Laham) e Asenate (Letícia Almeida) não sai como ambos esperavam. Assim que chegam na nova e luxuosa casa do novo Governador do Egito, duas servas o recebem.

Instantes depois, os dois se veem pela primeira vez a sós desde a última conversa, na prisão, quando Asenate disse ter se decepcionado com José por suposto abuso sexual de Neferíades. Depois, eles só se reencontraram no anúncio do novo cargo dele e quando Sheshi (Fernando Pavão) escolheu a jovem para ser esposa de José.

ASENATE DESAPONTA JOSÉ NA NOITE DE NÚPCIAS APÓS MAL-ENTENDIDO: “EU NÃO QUERO VOCÊ! ASSIM COMO VOCÊ NÃO ME QUER. OU EU TÔ ERRADA?”

Frente a frente, José sorri, mas mantém um pouco de distância de Asenate. Ela está um tanto sem jeito, tímida. “Então aqui é a sua casa agora?”, fala ela, extasiada com o luxo do lugar. José a corrige. “Sim... Quer dizer, nossa ... agora que a gente tá casado”. A moça assente, nervosa. Os dois ficam um tempo em silêncio. E quando falam, é ao mesmo tempo. “Asenate, eu... José... Fala você primeiro... Desculpa, fala você”. Os dois riem. A jovem diz para José falar.

O rapaz lembra que com a correria, eles não tiveram tempo para conversar. “Eu queria saber se você acredita agora que eu era inocente do que a senhora Neferíades...”. Asenate o interrompe. “Claro, José. Não se preocupa. Ficou tudo esclarecido durante o julgamento”, diz ela, que abaixa a cabeça, sem graça. “Eu que tenho que te pedir desculpas por não ter acreditado em você. Me perdoa?”. José sorri e fala que isso já passou. Em seguida, José leva a esposa para conhecer o restante da gigantesca casa.

Ao final do tour, chegam no quarto principal. Ao perceber o nervosismo da amada, o rapaz pergunta se ela quer conversar. Ele fala que tudo aconteceu rápido e só agora  está começando a entender sua nova realidade. “Mas o que você achou de tudo isso?”, quer saber ela. José diz que ficou surpreso por sua vida mudar tanto. “Nunca imaginei que ia ter uma posição dessa e que nem a minha esposa ia escolher”. Asenate se surpreende negativamente com a resposta.

José percebe, tenta consertar, mas se enrola mais. “Não foi isso que quis dizer, é que sempre achei que ia casar com uma hebreia, nunca pensei que ia ser com uma egípcia”. Asenate fica mais chateada ainda. “Então quer dizer que se você tivesse tido escolha, você teria escolhido diferente?”, questiona ela. José fala que não é isso, que ele só se expressou mal. Asenate o corta, ríspida. “Tudo bem, José. Você acha que foi só você? Eu também não tive escolha. Então vamos facilitar a vida pra nós dois?”.

Ela vai saindo, até que José a detém, incrédulo com o rumo da conversa. Ele pergunta aonde ela vai. “Não é porque a gente foi obrigado a se casar, que a gente tem que ter um casamento de verdade”. O rapaz pondera e fala que eles precisam conversar direito. Mas a moça não quer saber de mais papo. “Eu sei que eu não tenho muita escolha sobre a minha própria vida, mas será que eu poderia ficar com um dos quartos?”. José se surpreende e pergunta se ela não vai ficar no quarto com ele. “Não. Pra quê? Quanto mais cedo a gente encarar a verdade, melhor”.

José começa a perder a paciência. “E que verdade é essa, você pode me dizer?”. Asenate tasca: “Que eu não quero você!”. José leva um baque. “Assim como você não me quer. Ou eu tô errada?”, diz ela. A moça fica na expectativa de que ele a contradiga, mas nessa hora o clima já azedou. José abaixa o olhar e se afasta. “Se é assim... Fica. Eu vou pra outro quarto”. O rapaz vai saindo, sem olhar para ela. Arrependida, Asenate tenta dizer algo, mas desiste. O rapaz sai, e ela fica ali, triste e frustrada com o que fez.