Cara e Coragem: Paolla Oliveira e Marcelo Serrado falam da relação “no limite do amor” de Pat e Moa

Atores vivem colegas dublês na trama das 7 de Claudia Souto, que aborda a coragem em todos os sentidos da vida


27 de maio de 2022

Foto: Globo/Sergio Zalis

Por Luciana Marques

Com estreia na próxima segunda-feira, 30 de maio, Cara e Coragem chega com todos os elementos de uma novela das 7, ação, romance e humor, com pitadas de suspense e drama. Tendo como tema central a coragem em todos os aspectos da vida, o casal protagonista Moa (Marcela Serrado) e Pat (Paolla Oliveira) mostra isso diariamente em seu trabalho como dublês.

A rotina e o fato de viverem situações diárias de adrenalina, os aproximou e fez o sentimento entre eles virar algo mais forte. Pat acaba nutrindo um amor secreto pelo parceiro, assim como Moa tem um amor platônico pela colega. Mas vários fatores os impede de ter a coragem para assumir isso.

PAT É CASADA, E MOA NÃO TEM CORAGEM DE SE DECLARAR E TRAIR SEU AMIGO ALFREDO, MARIDO DELA

Na trama escrita por Claudia Souto, com direção artística de Natalia Grimberg, Pat é casada com Alfredo (Carmo Dalla Vecchia), mãe de Gui (Diogo Caruso) e Sossô (Alice Camargo). Por ter uma doença desconhecida, Alfredo é o dono de casa, enquanto Pat é a provedora. Ela nutre uma admiração grande e pelo marido, cuida dele, mas a relação deles se transformou e hoje é como se fossem amigos.

Pat (Paolla Oliveira), o marido, Alfredo (Carmo Dalla Vecchia), e os filhos Sossô (Alice Camargo) e Gui (Diogo Caruso). Foto: Fábio Rocha

Já Moa, é pai solo de Chiquinho (Guilherme Tavares). Além de não ter coragem de se declarar à Pat e de trair o amigo Alfredo, ele tem dificuldade em se relacionar, por ter sido traído pela ex, Rebeca (Mariana dos Santos) com seu melhor amigo.

PAOLLA OLIVEIRA E MARCELO SERRADO FALAM DO AMOR DIFÍCIL, MAS POSSÍVEL DE PAT E MOA: “ESSA É A GRAÇA”

Durante a coletiva online de Cara e Coragem, Paolla, Marcelo e a autora Claudia Souto responderam à pergunta do ArteBlitz sobre o que o público pode esperar dessa relação de amor, a princípio, impossível, de Pat e Moa. Aliás, a gente já shippa esses dois. Que tal #patmoa ou #moat?

Paolla Oliveira - Pat

“Cara e Coragem é uma novela deliciosa, com tudo o que a gente espera de uma novela das 7, leveza, diversão, a parte cômica. E os nossos personagens têm tudo isso também, são multifacetados. E a trama traz algo que as pessoas não esperam de uma novela dessa faixa, o drama. A Pat e o Moa vivem essa situação. Eles são divertidos, mas tem uma coisa ali, esse amor, que está colocado num lugar muito bacana e delicado. E eu acho que isso é que pode pegar o público. A Pat é mãe de família, tem um casamento estruturado, o Moa não. Mas acho que a gente se encontra nesse impasse, talvez nessa falta de coragem de se reestruturar, de ter essa mudança na vida deles para viverem o que querem e o que estão sentindo. Essa relação vai da emoção à adrenalina, que aliás eu acho que é um diferencial para essa novela e os personagens, que é uma ação bem feita, de verdade. E tem todo esse drama que me agrada, a delicadeza entre a coragem física e a coragem de viver isso.”

Marcelo Serrado - Moa

“Tem uma coisa interessante também, que é esse amor impossível dos dois. Quantas vezes na vida a gente tem aquele amor que a gente acha que não é o momento viver. E é colocado muito bem na novela. Ela é casada, tem filhos, o Moa também tem um filho, uma ex mulher, vive sozinho. Essa história também é interessante de um pai solteiro, que cuida do filho, um pai contemporâneo. E essa relação da Pat e do Moa me lembra muito Fox Mulder e Dana Scully (de Arquivo X), essas relações impossíveis, A Gata e o Rato, um implicando sempre com o outro. E eu acho que esse amor impossível é muito legal, acredito que o público pode torcer muito, porque as pessoas vão aparecendo na vida do Moa, mas ele e Pat se amam. Acho que é isso, o público torcer por esse amor, a gente tá fazendo com muita delicadeza, pra que seja crível e as pessoas torçam por eles.

Paolla Oliveira

“O Marcelo falou que é um amor impossível, eu acho que a graça é que talvez não seja impossível, é possível. Tá na dependência dos dois tomarem coragem pra isso.”

Claudia Souto - Autora

“Eu queria falar um pouco também do amor da Pat e do Alfredo. É sobre isso, Pat, Moa e Alfredo, é sobre os amores, à princípio, impossíveis, e os amores que já se transformaram. A gente já viu na dramaturgia uma heroína que está se separando, mas aí é sempre um casamento que é fracassado ou um cara que não é legal que estava com ela. E quando eu estava criando esse trio, eu falei, não, nem sempre as pessoas não são legais. As pessoas são tão legais que às vezes esse casamento vira uma irmandade e esse amor se transformou. Com relação ao Moa, vai um pouco além do fato da Pat ser casada. Esse é o lado que o impede de estar com ela. Mas o que o impede de estar com outras pessoas? O Moa tem uma mágoa muito grande de ter sido deixado pela mulher que amava tanto para ficar  com o melhor amigo dele. Foi uma traição dupla. Então, ele também tem que ter coragem de superar esse trauma do passado, de se arriscar numa nova relação. Pra ele é um risco duplo. Além de ter que se arriscar em uma nova relação, ainda é uma colega casada. Daí que vão os complicadores dessa relação afetiva, que a gente encontra na nossa vida.”