Nos Tempos do Imperador: Príncipe Pierre, vivido por Gabriel Falcão, mexerá com os corações de Leopoldina e Isabel

A chegada do primo à Quinta, após passagem de tempo de 8 anos, deixará as princesas alvoroçadas


15 de setembro de 2021

Foto: Reprodução Instagram/Fabio Audi/Montagem

Nos próximos capítulos de Nos Tempos do Imperador, após uma passagem de 8 anos, as princesas Leopoldina (Bruna Griphao) e Isabel (Giulia Gayoso) já aparecerão jovens. E uma novidade que as deixará alvoroçadas é a chegada do primo, o príncipe Pierre de Orléans (Gabriel Falcão). Na verdade, no início, quem está mais entusiasmada é Isabel, afinal, o rapaz vai até à Quinta como seu pretendente.

De início, Leopoldina até vai rir do nervosismo da irmã. É que segundo ela, a sua prioridade é fazer uma faculdade, como Pilar (Gabriela Medvedovski), muito antes de pensar em casamento. Mas tudo muda com a chegada de Pierre. Assim que ele é anunciado, pegará as princesas de surpresa. Simpático e falante, o rapaz não tem sotaque francês por ter sido criado na Inglaterra e Escócia. Cheio de salamaleques, ele chama a atenção de todos.

ISABEL E LEOPOLDINA FICAM ASSANHADAS COM A PRESENÇA DO PRÍNCIPE E ACABAM DISCUTINDO NA SALA DE ESTUDOS

Isabel nem consegue disfarçar o seu encantamento. E a durona Leopoldina não esconde que está mexida. “Posso dispensar o “sua Majestade Imperial bla, bla, bla” e chamá-lo apenas de “meu tio”, não é?”, diz ele, diante de Pedro (Selton Mello), que está surpreso. Antes do Imperador responder, ele já vai cumprimentar Teresa (Letícia Sabatella) e Celestina (Bel Kutner).

Depois, já está diante das jovens altezas. “E essas duas beldades de certo são minhas primas! Deixem eu adivinhar! (ele aponta Leopoldina) Isabel e (ele aponta Isabel) Leopoldina!”. Mas antes que as duas o corrijam, ele abre os braços e pede um abraço. Em seguida, Luísa (Mariana Ximenes) se junta a eles, e Pierre afirma lembrar da Condessa frequentando o Castelo da família na Inglaterra.

O príncipe se diz muito feliz por estar no Brasil e fala que quer conhecer pessoalmente todo país, tendo as primas como cicerones. “Se meus tios não se opuserem!”, diz ele. Teresa explica que as “primas” não costumam sair à noite. Logo, o rapaz pergunta quando será o próximo baile na Quinta. “Adoraria participar! Sou ótimo dançarino”, diz ele, que se levanta e começa a dançar, sozinho.

Leopoldina e Isabel riem. “Ele é simpático, mas o seu falatório está me deixando tonta”, fala Teresa, fazendo Luísa rir. Momentos depois, as princesas já estão na sala de estudos com Luísa, bem assanhadas. As duas só falam do príncipe. Isabel diz que estava apreensiva, mas agora acredita que os dois formarão um casal feliz.  “A não ser pelo fato de ele não ter demonstrado nenhum interesse especial nesse casamento”, alfineta Leopoldina.

Isabel rebate que se não tivesse interesse, não teria abandonado o posto como oficial da marinha. Luísa explica que ele só tirou uma licença e que só veio conversar a respeito de um possível casamento e que não há nada definido ainda. Leopoldina aproveita a deixa. “Além do quê, pode acontecer de ele se interessar por outra pessoa. Por mim, por exemplo!”. Isabel fica indignada, e as duas começam a discutir.

Luísa intervém. “Sei que estão na idade de sonhar com príncipes encantados, mas suas altezas devem lembrar que um casamento real é, antes de tudo, um arranjo político, um acordo em que amor, paixão, infelizmente nem sempre tomam parte. Portanto, eu as aconselharia a não cultivarem ilusões de uma princesa de contos de fada”, fala ela, deixando as jovens passadas.