Juan Paiva: Da comunidade do Vidigal para o Festival de Cannes

Ator vive protagonista hemofílico em Sem Seu Sangue, selecionado para o evento


  • 17 de maio de 2019
Foto: Reprodução Instagram


Aos 21 anos, Juan Paiva vive um sonho que muito ator veterano ainda não realizou: ver um trabalho seu no concorrido Festival de Cannes. Mas esse menino, oriundo do grupo de teatro Nós do Morro, da comunidade carioca do Vidigal, onde mora, inclusive, já está na França com a equipe de Sem Seu Sangue.

Primeiro filme da diretora Alice Furtado, o longa que ganhou o nome internacional Sick, Sick, Sick está entre os 24 títulos selecionados para exibição na Quinzena dos Realizadores, seção paralela do evento, na Riviera Francesa. Juan protagoniza a produção junto com Luiza Kosovski.

Juan estreou na TV como o Wesley, em Totalmente Demais, em 2015, depois interpretou o motoboy Anderson, em Malhação: Viva a Diferença, em 2017. Já no cinema, atuou em 5x Favela – Agora por Nós Mesmos, em 2010, em Vendo ou Alugo, em 2013. E aguarda ainda o lançamento de Correndo Atrás, em que contracena com Ailton Graça.

Silvia (Luiza Kosovski) e Artur (Juan Paiva). Foto: Reprodução Instagram

 

 

JUAN PAIVA SOBRE SEM SEU SANGUE: “É UM FILME FORTE, E A ESTÉTICA ME ENCANTOU”

Sem Seu Sangue é uma coprodução de Brasil, França e Holanda. O filme mostra a relação de Silvia (Luiza Kosovski), uma adolescente introspectiva, com Artur (Juan Paiva), um jovem hemofílico. Ele chega na classe da jovem após ter sido expulso de várias escolas, e a encanta com sua força e vitalidade. Mas um grave acidente pode complicar as coisas...

DESAFIO

“Fiquei encantado, primeiro, porque eu adoro desafios. E esse filme me desafiou muito. Eu fiz três testes. E em cada um, eu pensava: ‘Eu preciso ser melhor , preciso ser melhor’. E eu amo isso porque me tira da zona de conforto, me dá vontade de fazer. A arte me da um tesão maravilhoso, fazer teatro também. O filme me instigou primeiro por isso, depois que eu vi o roteiro, então... Pensei: ‘É algo totalmente diferente de tudo que eu já fiz’.

DAR VOZ A HEMOFÍLICOS

“Já sabia da história do personagem pra fazer o teste e tal... Mas não sabia da história do filme. Quando soube fiquei encantado porque é um suspense, que rola um amor, aborda uns temas que nunca toquei. Eu não sabia como era a vida de uma pessoa hemofílica, nunca tive essa noção. Daí tive que pesquisar pra saber como funciona isso.

Foto: Reprodução Instagram

ARTUR X JUAN

"O Artur é totalmente radical, não tem medo. Ao contrário de mim que já tenho medo das coisas, de me machucar. Então se eu fosse uma pessoa com essa doença...  Nossa, não sei, ia ter que aprender a lidar obviamente. Mas é muito complicado. Então eu ter essa oportunidade de fazer uma pessoa que tem esse tipo de problema, dar voz a esta pessoas, falar sobre essa doença, é uma grande oportunidade pra mim. Fico muito feliz mesmo!"

LIBERDADE DE ATUAR

“E depois que eu assisti Ao filme, fiquei mais encantado ainda. Comentei com a Alice (diretora), que eu não imaginava que seria assim... É um filme forte, a estética me encantou demais. É algo que eu sempre quis fazer. A Alice me deu uma liberdade de atuar, o que foi maravilhoso, os meus parceiros, a Luiza , o Ticão, toda  a galera, fui me apaixonando mais e mais, passo a passo. Agradeço a Deus por isso, por colocar pessoas maravilhosas na minha vida!”

 

 

Matheus Nachtergaele: “Série divertida em fase que o Brasil está triste”

Simone Gutierrez sobre cena da morte do bebê: “Sem noção da dor”



Veja Também