Cauã Reymond e Tatá Werneck em total sintonia nos cinemas

Atores interpretam policias atrapalhados em Uma Quase Dupla


  • 20 de julho de 2018
Foto: Divulgação


A comédia Uma Quase Dupla, recém-lançada nos cinemas de todo o país, é uma boa pedida para para o fim de semana. E prepare-se para gargalhar com a inusitada dupla de policias formada por Claudio (Cauã Reymond) e Keyla (Tatá Werneck).

Na trama, com direção de Marcus Baldini, quando acontece uma série de assassinatos na bucólica rotina da cidade de Joinlândia, o subdelegado Claudio, tranquilo e pacato, recebe a ajuda da destemida e experiente investigadora Keyla. Porém, a diferença de ritmo entre os dois e a falta de química só vai atrapalhar na solução dos misteriosos crimes.

 

 

SINTONIA E APRENDIZADO NO SET DE FILMAGEM

Para Tatá, que colaborou com o roteiro de Leandro Muniz, a parceria com Cauã no primeiro trabalho dos dois juntos, não poderia ter sido melhor. “Eu e o Cauã a gente já queria há muito tempo trabalhar junto, podia ser um filho, uma noite, mas foi um filme”, divertiu-se a sempre bem-humorada Tatá. “Eu acho que uma das coisas que movimentou esse filme foi a minha admiração pela Tatá, acho ela brilhante, já era fã antes de conhecê-la pessoalmente”, contou o ator.

Segundo Tatá, a experiência com o colega no set de filmagem foi um aprendizado diário. “Acho que são processos de trabalho muito opostos, mas que não deixam de se complementar. Ele é um cara disciplinado, tem precisão em tudo, sabe muito de câmera, luz. Agora mesmo, na novela, alguns diretores falaram, Tatá, como você amadureceu em posicionamento, e eu falei, chama-se Cauã Reymond. Aprendi muito com ele”, ressaltou a atriz, que dá vida à Lucrécia, em Deus Salve o Rei.

Cauã Reymond diz com qual atriz tinha aula de atuação em trama

Tatá Werneck: “A melhor escolha da vida foi me aceitar como sou”

Modesto, Cauã responde que nem entende tanto, mas que vem procurando aprender mais sobre o trabalho por trás das câmeras. “Venho participando como produtor e isso me fez observar o trabalho de outras pessoas ao redor, é um caminho natural que a minha carreira está tomando”, explicou ele.

Os dois garantem que o equilíbrio da personalidade e do método de trabalho de cada um foi essencial para o bom resultado na telona, tanto que o público acaba torcendo por esse casal. “Ser espontâneo é legal, mas no cinema é bom ter a precisão do Cauã, você tem um tempo para fazer tudo, e ele sabe, eu não tenho essa bagagem”, disse Tatá. “Acho que esse lugar da improvisação traz um frescor e vigor para as cenas”, emendou Cauã.

Foto: Divulgação



Veja Também