"Caraca!" Thalita Rebouças é um fenômeno também nos cinemas

Autora celebra sucesso de Fala Sério, Mãe!, e diz quais outros livros seus vão virar filmes


  • 18 de janeiro de 2018
Foto: Rodrigo Lopes


Por Claudia Dias

Fala Sério, Mãe! é o primeiro livro da coleção Fala Sério, assinada por Thalita Rebouças. Treze anos após o lançamento da obra, best-seller da escritora, ele ganhou uma nova roupagem e, melhor, uma edição nas telonas. Protagonizado por Ingrid Guimarães, que vive a mãe, Ângela Cristina, e Larissa Manoela, a filha, Malu, o filme já bateu a marca dos dois milhões de espectadores em três semanas de exibição.

E temos que “falar sério mesmo”, porque essa autora, de 43 anos, é realmente um verdadeiro fenômeno entre o público infanto-juvenil. São 22 livros, sendo sete da série de sucesso, entre eles Fala Sério, Professor; Amiga; Pai; Amor; Irmã.. E, pasmem, mais de 2 milhões de exemplares vendidos.

No entanto, mesmo com uma sintonia tão forte com esse público específico, Thalita não tem filhos, e, por enquanto, não planeja ser mãe. Então, como conseguiu retratar tão bem as mães, e principalmente, as de adolescentes? O Portal Arteblitz conversou com a autora, e quis saber desse e de outros detalhes dos livros e do filme. Ah, e a peça Fala Sério, Gente!, com texto dela, está em cartaz no Teatro das Artes, em São Paulo, até 25 de fevereiro.

"Conversei com algumas mãe, observei outras. Escutei muitas histórias e inventei algumas. Mas mãe é tudo igual, só muda o endereço (risos)."

Fala Sério, Mãe! foi o primeiro livro da coleção. Agora ele ganhou uma nova versão. Houve alguma mudança ou ele só foi relançado por causa do filme?

Ele foi lançado há 13 anos e agora foi mudado, sim. Além da mudança da capa, ganhou sete crônicas novas onde o leitor acompanha a Malu durante a faculdade até a saída da faculdade. Eu revisei e ampliei.

Foto: Rodrigo Lopes

Por que virar filme e só agora? Era um desejo antigo?

Jamais pensei em ver esse livro virar filme, mas é um sonho ver meus personagens ganhando vida. A ideia do filme partiu do diretor Pedro Vasconcellos que queria fazer um trabalho para família. Eu e ele já havíamos trabalhado na adaptação do meu livro 'Tudo por um popstar' para o teatro.

Fala Sério, Mãe! descreve muito bem uma mãe de adolescente. E você não é mãe. Em quem se baseou para escrever a história?

Conversei com algumas mãe, sim. Observei outras. Escutei muitas histórias e inventei algumas. Mas mãe é tudo igual, só muda o endereço (risos).

"Não tenho vontade de ser mãe agora. Acho que colocar filho no mundo é fácil, mas ser mãe de fato, educar, é muito difícil. Já tenho meus 22 filhos que são os meus livros. Se um dia realmente quiser, adoto."

A adolescente do filme é inspirada na sua adolescência ou é fruto de observação?

Ela é um pouco de tudo. Eu fui uma adolescente até bem tranquila. Mas todos meus trabalhos são resultado de muita observação. Eu adoro observar o comportamento das pessoas na rua, na praia, no salão... E, claro, também peço ajuda para os amigos.

Larissa e Ingrid, do longa Fala Sério, Mãe! Foto: Paprica Fotografia

Você tem vontade de ter filho, é um plano futuro?

Não tenho, não. Acho que colocar filho no mundo é fácil, mas ser mãe de fato, educar, é muito difícil. Eu já tenho meus 22 filhos que são os meus livros. Por conta deles já tenho uma vida muito atribulada de compromissos, viagens... E, se um dia quiser, adoto.

Você se imagina como a Ângela Cristina?

Não (risos). Mas vejo muitas amigas minhas que são mães bem parecidas com ela. Na verdade, muitas mães estão me mandando mensagens dizendo que se viram na personagem.. E muitos filhos também disseram que suas mães são iguais a Ângela Cristina.

"O legal é ouvir, 'Eu me vi no filme'. As pessoas estão se identificando, se emocionando. E isso significa, para mim, que estamos atingindo nosso objetivo: entreter toda a família."

Que respostas você recebeu do livro e, agora, do filme?

As mais lindas! Tenho recebido muitos e-mails e mensagens pelas redes sociais de pessoas de todas as idades, homens, mulheres, crianças, adolescentes. Todos encantados com o filme, comentando que riram muito e se emocionaram também. E o mais legal é ouvir sempre que 'Eu me vi no filme'. As pessoas estão super se identificando, se emocionando. E isso significa, para mim, que estamos atingindo nosso objetivo: entreter toda a família.

Elenco da peça Fala Sério, Gente! Foto: Caio Galutti

Pretende que os outros livros também virem filmes?

Claro! Na verdade, tem alguns títulos de livros meus que já foram vendidos para o cinema, mas produção cinematográfica é algo que demora muito a se concretizar. Acabamos de rodar o longa baseado no 'Tudo por um popstar', que deve estrear em meados do ano. Os títulos '360 dias de sucesso', 'Era uma vez minha primeira vez, 'Tudo por um namorado' e 'Ela disse, ele disse' estão em fase de captação por grandes produtoras brasileiras.

"Ingrid Guimarães é hilária, ótima atriz, gênia, rainha do cinema nacional. Ela, inclusive, foi quem sugeriu a Larissa Manoela de quem a filha dela já era fã."

Quem escolheu a Ingrid Guimarães para o filme?

Foi o Pedro Vasconcellos (diretor do filme) e eu super concordei. Ela é hilária, ótima atriz, gênia, rainha do cinema nacional. Ela, inclusive, foi quem sugeriu a Larissa Manoela de quem a filha dela já era fã. Ingrid se tornou uma grande amiga e quero trabalhar com ela mais vezes.

Curtiu o resultado final do filme, mudaria alguma coisa?

Eu amei tudo! Da escalação, aos figurinos, cenário....Não vejo nada a ser alterado. Na verdade, eu participei bem de perto de tudo. O Pedro Vasconcellos fez questão de que eu participasse. Eu ia quase todo dia para o set. Obviamente, dei palpite no roteiro, mas está tudo bem redondinho. O filme é fiel ao meu livro. E todas as mudanças que foram feitas poderiam estar no livro. Estou muito, muito feliz com o resultado. E mais feliz ao saber que o público de todas as idades também está curtindo.



Veja Também