Sara Antunes reestreia temporada digital da elogiada peça sobre a guerrilheira mineira Dora

Criadora, atriz define projeto como reparação histórica em que as lutas femininas do Brasil estão em foco


31 de agosto de 2021

Foto: Alessandra Nohvais

Indicado ao prêmio APCA 2021 de Teatro, o espetáculo Dora estreia nova temporada digital, a partir de 27 de agosto, no canal do youtube Oficinas Culturais do Estado de São Paulo, seguida de debate. Com direção, texto e atuação de Sara Antunes, a montagem conta a história da guerrilheira mineira Maria Auxiliadora Lara Barcelos, a Dora. A peça é estruturada como um caleidoscópio fragmentado, mesclando trechos de cartas, imagens de arquivos e relatos autobiográficos da própria Sara.

Mãe da atriz, Angela Bicalho faz uma participação especial na obra traçando um paralelo da vida de Dora com a trajetória familiar de Sara. Mineira como os pais da atriz, Dora nasceu no mesmo ano que sua mãe e se envolveu na resistência à ditadura, tendo sido presa e exilada, assim como aconteceu com o pai da Sara, Inácio Bueno. Com o material histórico em mãos, confiado por seus familiares, Sara traça um percurso de registro de memória e afirmação das trajetórias femininas na política.

Foto: Alessandra Nohvais

“Neste projeto, não pretendo mitificar heróis, também não se trata de uma homenagem, mas acho importante se debruçar sobre a história do país do ponto de vista de quem participou dela. Principalmente, as mulheres”, fala.

QUEM FOI DORA?

Estudante de medicina, Integrante da VAR (Vanguarda Armada Revolucionária), Dora tinha 23 anos quando foi presa. Ela foi libertada no grupo dos 70 em troca do embaixador suíço Giovani Enrico Bucher e banida do país. Dora foi uma grande amiga de Dilma Rousseff e companheira de organização, viveu no Chile, Bélgica, França e, em 1974, viveu na Alemanha, onde suicidou-se em Berlim, em 1976, aos 31 anos, jogando-se na frente de um trem.

Programação:

Dora. 27/08 e 28 /08 e 02/09 e 03/09. Às 21h. Canal do youtube Oficinas Culturais do Estado de São Paulo.

Debates02/09 - Debate com a cineasta, doutora e professora da UFRJ Anita Leandro sobre escrita e criação a partir da história e arquivos da ditadura, abordando o caso da Maria Auxiliadora Lara Barcelos, a Dora. 03/09 - Bate-papo com Cecilia Boal sobre teatro, psicanalise, ditadura e as experiências da repressão a partir do exilio vivido ao lado de companheiro Augusto Boal.