Sérgio Mattos: “Tem gente que te ignora e inventa passado de glamour”

Renomado scouter, que revelou Ana Beatriz Barros e Cauã Reymond, faz 30 anos na moda


  • 06 de agosto de 2019
Foto: Reinaldo Hingel


 

Por Luciana Marques

Baiano de Iguaí, Sérgio Mattos chegou a cursar jornalismo nos anos 80, no Rio de Janeiro, ao mesmo tempo em experimentava também as carreiras de ator e modelo. Mas foi quando começou a gerenciar a abertura da loja da famosa grife Yes Brasil, em São Paulo, que ele descobriu um novo dom: o de olheiro. “Depois quando trabalhei com o John Casablancas, na Elite, de fato, aprendi a ser mais criterioso na escolha de modelos”, conta.

Desde então, Serginho se tornou o maior scouter do país. Ele revelou nomes internacionalmente conhecidos na moda e também grandes talentos hoje da TV, como Ana Beatriz Barros, Isabeli Fontana, Raica Oliveira, Daniella Sarahyba, Paulo Zulu, Cauã Reymond, Márcio Garcia, Agatha Moreira, Felipe Roque, Beatriz Arantes, Marina Moschen, Juliana Paiva, entre outros.

Já na época como diretor da Elite Rio, em 1991, era o responsável pelo scouting do Elite Model Look. E foi no concurso que despontaram ícones das passarelas como Gisele Bündchen, Caroline Ribeiro, Isabeli Fontana, Raica Oliveira e Ana Beatriz Barros. Depois de trabalhar em Nova York, Serginho inaugurou a sua própria agência, a 40 Graus Models, em 2004, no Brasil. Desde então, continua revelando new faces para os universos fashion e artístico. “Tudo valeu muito a pena! Até as experiências negativas nos ensinam”, ressalta.

Com Isabeli Fontana, em 1996, e com ela já entre as mais famosas modelos do Brasil e mundo. Foto: Montagem

Há 30 anos, quando iniciava a sua carreira, como e quando descobriu ter um olhar apurado para encontrar futuros grande modelos e artistas? Quando comecei a fazer os primeiros cursos de modelo, eu sempre ficava reparando no visual dos outros alunos e vendo quem tinha potencial. Quando trabalhei na Yes Brazil eu peguei muito o estilo fashion. Mas foi de fato com o John Casablancas, na época da Elite, que aprendi a ser mais criterioso na escolha de modelos. 

 

Já houve uma época em que ser modelo era o sonho da maioria das meninas... Como está isso hoje, ainda mais com essa força da internet em que qualquer pessoa pode fazer sucesso de uma hora pra outra? Continua sendo o sonho de muitas meninas. É impressionante que até nas cidades do interior muitas meninas sonham em ser modelo. A diferença é que, com a internet, isso viraliza. 

O que é essencial para um jovem chamar a sua atenção para um futuro na carreira da moda. É só beleza,  estereótipo “padrão” ou atitude conta muito? Além da beleza e estética ideais para a carreira, tem que ter muita personalidade, atitude e profissionalismo. Hoje em dia, estar antenado com as redes sociais também conta pontos a favor. 

Falando em “padrão”, as coisas mudaram hj, ou a “ditadura da magreza” continua ditando as regras para modelos de passarela? Para desfile de passarela nas semanas de moda da vida ainda existe o padrão magra com quadris estreitos e pernas compridas. Mas já temos algumas exceções e algumas marcas usam modelos plus size e fora do padrão nos seus desfiles. 

Foto: Marcio Farias

O mundo da moda, assim como o artístico, envolve muito ego. E você foi o responsável por descobrir nomes que hoje são muito famosos. Há pessoas que te decepcionaram depois de alçarem um patamar mais alto ou todos demonstram gratidão? Em 30 anos já vi de tudo: tem gente que fala que foi descoberto por algum diretor e simplesmente te ignora totalmente, inventam um passado cheio de glamour. Já outros têm gratidão eterna por eu tê-los descoberto. Fiz grandes amigos até hoje. 

De todos esses nomes famosos que vc lançou, há alguns que se tornaram amigos seus, que você sente o maior orgulho? Cauã Reymond, Paulo Zulu, Daniella Sarahyba, Ana Beatriz Barros, Márcio Garcia...

De tudo o que se fala sobre o universo da moda, o que você diria que é notícia “fake”, ilusão? Hoje em dia, vejo muita notícia fake, tem muita agência fake, gente que se passa por fotógrafo, scouter e saem por aí enganando muitas pessoas, principalmente na internet. Então, todo cuidado é pouco! É essencial saber quem é quem antes de qualquer coisa. 

 

Explique um pouco sobre o grupo de poesia Era uma vez um poeta, como é e quem pode participar? O grupo é composto por novos talentos da 40 Graus Art, departamento artístico da 40 Graus Models. Nos reunimos uma vez por semana para trocar experiências, poesias e interpretação de cenas. 

Já são 30 anos nessa carreira, qual o sonho que você ainda gostaria de realizar na sua área? Gosto de desafios. Vou lançar meu primeiro livro de poesias ainda este ano. Espero estar sempre antenado com as tendências modernas e descobrindo novos talentos! 

Gisele Bündchen: “Por 23 anos, fui uma imagem sem voz”

Cauã Reymond: “Comecei a entender a posição feminina melhor”

 



Veja Também