André Romano lança Fausto, O Dragão que Queria ser Dragão

Autor traz lições de tolerância e respeito às diferenças de forma leve e lúdica


  • 16 de agosto de 2018
Foto: Divulgação


Em seu terceiro livro infantil, Fausto, O Dragão que Queria ser Dragão, o escritor e jornalista André Romano, de 37 anos, traz a tona um assunto que toda a criança deve aprender desde cedo: tolerância e respeito às diferenças. Mas ele mostra tudo isso de uma forma leve, lúdica, ensinando aos pequenos o que muito adulto, principalmente nos dias de hoje, ainda não aprendeu. A obra chega às livrarias a partir de setembro, mas está em pré-venda pela Giostri Editora.

“Quando criança, lia o universo da Turma da Mônica e embarcava nas histórias de Maria Clara Machado. Sempre gostei do lado lúdico de ambos. Já adulto, esbocei algumas histórias que eu tinha certeza que aquele garoto de 7 anos que eu era, sonhador, iria gostar. Foi aí que começaram a nascer as aventuras que eu conto”, explica André, autor também dos infantis Gigi e os Livros Perdidos (2014) e Uma Princesinha no Reino da Feiura (2014), além de contos e romances adultos.

O autor André Romano. Foto: Divulgação

HISTÓRIA DO DRAGÃO MACHO QUE NASCEU COR DE ROSA

Na obra, André conta a história de Fausto, um dragão macho que nasceu cor de rosa no reino da Perfeição, onde deveria ser azul. Por ser “diferente” do que julgam “normal”, ele é expulso do lugar pelo rei Pavão, e obrigado a deixar os pais. Assim, vai morar no reino da Imperfeição.

Na sua nova morada, ele encontra a girafa anã, a zebra sem listras, o elefante sem tromba e outros coleguinhas “imperfeitos”, mas que vivem muito mais felizes e em harmonia do que os animais do reino da Perfeição.

Encorajado pelas palavras da mãe, que costumava lhe dizer que ninguém é perfeito, Fausto conseguiu, com a ajuda dos novos amigos, desmascarar o rei Pavão, que também tinha as suas imperfeições, mas as escondia. No fim, tanto o reino da Imperfeição quanto o da Perfeição sucumbiram e todos foram viver no reino da Superação.

“Fausto nasceu de um sonho que tive, em que a história foi toda contada para mim. No mesmo dia, havia lido a seguinte frase de Nelson Mandela: ‘Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar’. Achei que tudo faria sentido”, diz ele.

Foto: Divulgação

O certo é que essa publicação não deve ser só lida pelos baixinhos, mas por muitos adultos que não tiveram a oportunidade de ler uma obra como essa, e hoje estão por aí destilando intolerância e preconceito: “Fausto nasce em um momento que o mundo está literalmente de cabeça para baixo. O que ele precisa, sem dúvida alguma, é de amor e de menos julgamento”, conclui o autor.

Fausto, O Dragão que Queria ser Dragão. Autor:  André Romano. Categoria: Infantil. Editora: Giostri Editora. Edição: 1ª. Ano: 2018. Idioma: Português. Especificações: Brochura - 24 páginas. Peso: 100g. Dimensões: 21cm x 21cm. Preço sugerido: R$ 38,00.



Veja Também